12 outubro 2007

12 DE OUTUBRO - DIA DA CRIANÇA


----------------------------------------------------------------------------------
Há uns dois, três meses eu estava rabiscando um papel (hábito meu) e quando vi tinha feito à mão livre este esboço de um rosto de menino. Achei que ficou bom, e nem mexi mais... Ia estragar, e não teria habilidade para refazê-lo. Mandei o desenho para uma pessoa amiga, além de mostrá-lo pessoalmente para outras. Ouvi de uma delas, a pergunta: "O desenho está ótimo, mas por que tanta tristeza no olhar do menino?" Respondi-lhe que não tinha sido intencional, mas por mero acaso.

Hoje, DIA DA CRIANÇA, resolvi postá-lo por achar que aquele olhar triste refletia a incerteza, temor e preocupação com o futuro de um Mundo que se lhe apresenta hoje cheio de contradições, previsões pessimistas e de quase total desprezo para com a vida na Terra. Em compensação, talvez estejam nas mãos dessa criança de olhar triste as soluções que os homens maduros de hoje ainda não enxergaram ou não desejam enxergar.

----------------------------------------------------------------------------------
Desenho de Adelino P. Silva
----------------------------------------------------------------------------------

15 Comments:

Blogger marilia said...

Amigo...
vc é uma caixinha de surpresas...
que belo desenho, de deixar o eduardo de boca aberta!
e vc tem razão..
que futuro é esse que as crianças que não possue a sorte de nossos filhos?? pq sei que minhas filhas sempre receberam amor e afeto e cuidados, assim como os seus...
fico aqui a cismar...
pobres crianças ricas, pobres crianças pobres se não tiverem amor, cuidado e carinho...
mundo esquisito esse dos dias de hoje.
faço o que posso,mas se começar a pensar em crianças de uma forma globalizada, enlouqueço.
bjos

sexta-feira, outubro 12, 2007  
Blogger Eduardo P.L. said...

Olha aí o ARTISTA, bom de retrato, que vinha escondendo o jogo!!!!

Parabéns!

sábado, outubro 13, 2007  
Anonymous Strix said...

Desculpe Adelino, mas não vejo triteza, nem no olhar e muito menos na boca.
O que percebo é um semblante de espanto/curiosidade.
Certas ocasiões cada um vê o que a mente determina naquele momento.
Só isso.
Strix.

sábado, outubro 13, 2007  
Anonymous strix said...

Para complementar meu comentário acima: Uma pessoa triste, mesmo uma criança, numca (ou quase) e flagrada de boca aberta.
Já, na hora de espanto/surpreza, o ser humano tende a respirar (aspirar) pela boca.
Podem criticar à vontade, mas não vejo tristeza nesse teu desenho.
Strix.

sábado, outubro 13, 2007  
Blogger Kenys said...

Lindo desenho. É o amiguinho da Puela...rs

Parabéns pelo post e pela ótima sacada de agragar um olhar à calamidade em que vivem as crianças de hoje.
Abraços da amiga.

domingo, outubro 14, 2007  
Anonymous Yvonne said...

Rapaz, você tem uma senhora habilidade. Ficou ótimo o desenho. Fez bem em deixar para postar no dia das crianças. Beijocas

segunda-feira, outubro 15, 2007  
Anonymous Adelino said...

Belas palavras, Marilia.
Chego a pensar na enorme responsabilidade dos que colocam novas vidas neste planeta nos dias de hoje. Abre-se um jornal e lemos apenas previsões pessimistas. e previsões baseadas em fatos reais.

Quanto ao desenho, o Eduardo deve estar é rindo dos meus rabiscos. Tanto não sei desenhar que parei no "lay-out". Se prosseguisse não sairia nada... Mas o importante foi a mensagem que pretendi passar.
Beijos

segunda-feira, outubro 15, 2007  
Anonymous Adelino said...

Valeu, Eduardo, mas como poderá notar, essas minhas inspirações não têm técnica nenhuma. Qualquer hora posto outras "obras", "ensaios"...
Grande abraço

segunda-feira, outubro 15, 2007  
Anonymous Adelino said...

É mesmo, Strixz, gostei da sua análise. Reparando bem, percebemos um misto de tristeza e espanto. Algumas pessoas viram trsteza. Sinceramente só notei tristeza depois que me perguntaram.
Grande abraço.

segunda-feira, outubro 15, 2007  
Anonymous Adelino said...

Strix, como sepre, brilhante a sua observação. E procede mesmo.
Grande abraço.

segunda-feira, outubro 15, 2007  
Anonymous Adelino said...

Bem lembrado, Kenys. É mesmo o amiguinho de Puela, uma história não acabada.
Pior, Kenys, é que mesmo não querendo ser pessimista, não podemos negar que o futuro das crianças de hoje é incerto, inseguro, qualquer que seja o seu nível social.
Um abraço amigo do
Adelino

segunda-feira, outubro 15, 2007  
Anonymous Adelino said...

Yvonne, lembro-me bem do dia em que fui premiado com um livro chamado "Histórias de João Mindinho", de Gondin da Fonseca, por ter conseguido o segundo lugar num concurso de desenho do Grupo Escolar em que estudávamos meu irmão e eu. Ele ficou em primeiro, e ganhou um belo estojo de desenhos... Era a semana comemorativa do Dia da Criança, acredita? Mas isso tudo é intuitivo, sem técnica. Na outra geração, quem sabe eu não seja um Alex Raymond, um Hal Foster ou um Will Eisner? Ou um EDUARDO??...
Beijos

segunda-feira, outubro 15, 2007  
Blogger O Meu Jeito de Ser said...

Adelino, o que sei é que o desenho está perfeito.
A expressão do garoto não saberia analisar, mas o fato é que realmente temos que ensinar nossas crianças, e esperar delas um mundo melhor, com mais respeito pelo ser humano e pela natureza.
É um constante aprendizado.
Um beijo

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Anonymous Adelino said...

Não há dúvida, Anna. Temos de fazer a nossa parte. O que lamentamos é que com a crescente necessidade de a mulher trabalhar fora, a educação das crianças fica quase que exclusivamente por conta de terceiros, nem sempre preparados para isso. Mas até isso faz parte do aprendizado, como disse.
Um beijo, e obrigado.
Uma semana de paz para todos nós, e quanto ao desenho, obrigado pelo "perfeito". Que é isso?! Bondade sua.
Abs

quarta-feira, outubro 17, 2007  
Anonymous Maria das Graças said...

Adelino este olhar merece uma poesia:
A criança que eu trazia
dentro de mim escondida,
hoje vive na poesia,
chorando restos de vida.

A criança que eu trazia
guardada na minha lembrança
esqueceu-se que a alegria
mora junto da esperança!

Enrolada na solidão,
dentro de mim escondida,
sem conhecer afeição
fica inda mais perdida!

Veio o sonho...uma utopia
e com ele, muitos versos!
Cantando seus universos!

É o canto mais lindo e triste,
desta criança crescida.

maria das Graças.

sexta-feira, maio 15, 2009  

Postar um comentário

<< Home