08 fevereiro 2007

GOD BLESS AMERICA

(Sede social do América FC - Foto Adelino P. Silva)
----------------------------------------------------------
Nunca uma derrota do Vasco da Gama me incomodou tão pouco como a de ontem (1x2) frente ao simpático América F C, Campeão dos Campeões. Falo isso com a mais absoluta sinceridade, independente de o América ser ou não uma “Legião Estrangeira”. O América tem tudo para ser um grande time/clube de futebol: sede bonita, grande número de associados, tradição e o carinho dos torcedores de todas as tendências. E se não bastasse isso, tem o hino de clubes mais bonito do Brasil, autoria de um americano legítimo, o saudoso Lamartine Babo.
Que seja sempre assim: se o Vasco da Gama tiver de perder, se a derrota for inevitável, que aconteça diante do nosso simpático América F C, da rua Campos Sales. Mas nada de exageros, é o que espera a torcida cruzmaltina...

PS – Uma vez, um dos meus filhos, associado do clube rubro, foi impedido de ingressar na sede social do América. Motivo: trajava short do Flamengo e camisa do Grêmio... Uma mistura curiosa... Idade dele na época? Seis anos. Hoje é um vascaíno convicto, mas americano de coração...

16 Comments:

Anonymous Ítalo de Paula Pinto said...

Virei sempre por aqui também, meu amigo. Quanto ao post, também acho muito bom o vaso perder. Afinal, sou flamenguista desde criança! No entanto, em uma coisa estou com o vasco: O apoio ao eterno e maior de sua era: Romário. Merece fazer os 1000 gols, mesmo que seja contra o flamengo.

Romário o eterno craque !

Abraços ...

quinta-feira, fevereiro 08, 2007  
Blogger Kenys said...

Meu time perdeu?!!!!


Putz!!!! =( :'(

quinta-feira, fevereiro 08, 2007  
Anonymous denise said...

De futebol não entendo nada, mas de amizade bato um bolão. Obrigada pelo link, que já retribuí.
abraço, garoto

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

Ítalo, eu também gosto muito de futebol, isto desde criança. Frequentei muito todos os estádios do Rio de Janeiro, vi todos os grandes times do Vasco da Gama, do Flamengo, do Fluminense, do Botafogo, do Bangu, do América...
Mas eram tempos de paz, quando as torcidas dos grandes clubes lotavam o Maracanã, e se misturavam nas arquibancadas opostas às cabines de rádios sem qualquer problema. Eu, vascaíno, cheguei a aplaudir o Flamengo numa bonita virada contra o Canto do Rio (isso no tempo do Fernando Cals...), e o Botafogo, naquela memorável decisão de 1957 com o Fluminense. E o meu time de botões era o Fluminense, com Telê, Orlando, Rodrigues, Castilho...
Um grande abraço

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

Valeu, DENISE, muito obrigado.
Espero vê-la mais vezes neste "humilde blog"...
Abraços

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

Calma, KENYS, perder para o América não é derrota, menina.
Tenho absoluta certeza de que não mudará de time. Espere, o Campeonato está apenas começando.
Depois vem mais. O quê, não sei...
Futebol não é capoeira, um esporte/jogo/dança cheio de gentilezas, coreografias, exibições, mesuras, berimbaus, tatamis... Às vezes até é, mas nem sempre.
Sei pouco mais do que você. Se me perguntar a escalação do time atual do Vasco direi uns três: Morais, Abedi e Romário... Ah, e o técnico: Renato. Temos uma linda sede, São Januário, e um presidente que é o "ídolo" do Fernando Cals...
Beijos

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Blogger valter ferraz said...

E o mais importante Adelino, vc tem fairplay como dizia-se das pessoas que sabem torcer sem fanatismo, com o coração e a razão.Parabéns pelo afinco com que trata os assuntos que lhe são caros, guardando objetos, reportagens e principalmente sentimentos. Fico feliz em compartilhar de sua amisade.
AQgora, uma cutucada: esse negócio dos mil gols do romala vou te contar, não consigo entender.
Abração

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

VALTER, vamos começar pelo final. Concordo com você sobre o Romário. Queiram ou não, os seus companheiros de equipe sentem-se na obrigação de lhe passarem a bola. Já aconteceu isso na penúltima temporada dele pelo Vasco da Gama.
E tem um detalhe: geralmente esses "gols históricos" custam a sair. Lembra-se do Pelé, em 1969? Ficou estacionado no gol 999 por uns seis jogos. Esperaram pelo jogo do Santos no Maracanã, que seria o "palco ideal para o acontecimento", e como o tal gol 1.000 não saía, arrumaram um pênalti contra o Vasco da Gama. Ele bateu, pegou a bola dentro do gol, repórteres e fotógrafos invadiram o campo, o Brasil parou, ele beijou a "esfera", falou das criancinhas (aliás, bem) etc. etc. E o jogo era oficial, hein? Ficou parado por um bom tempo.
Sobre o fair-play, gosto de conversar sobre futebol. Discutir sobre preferência clubística só com fundamento em dados concretos, estatísticos, bom senso. Mesmo assim se o meu interlocutor disser: Não interessa se foi ilegal, o que interessa é ser campeão etc e tal, aí então, como diz você: Tô fora...
Raiva, ódio, fanatismo, não.
E obrigado pelos elogios, Valter. É bondade sua.
Um grande abraço

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Blogger Kenys said...

Entre futebol e capoeira fico com a capoeira...rs

E para que vc saiba, a capoeira é uma luta.

Beijos

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Blogger valter ferraz said...

Ô tio, corrige aí: AMIZADE. Anarfabeto também não dá né?
Abração

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

VALTER, eu juro que nem tinha notado, tanto que não estava entendendo o que vc queria dizer neste último comentário.
Amizade é boa com S ou Z.
Abraços

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

KENYS, está bem, entre a capoeira e o futebol você fica com a capoeira. O que não pode é deixar de dizer sempre: - "Ah, é! Eu sou vascaína".
Obrigado por ter voltado a comentar por aqui...
Beijos e volte sempre.

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Anonymous fernando cals said...

Pois é, Adelino,
sempre tive simpatia pelo America, desde os meus tempos do futebol de bota, onde eu era América.
Dizer que vibrei com a vitória, ou a derrota do Vasco, mentira. Mas, até gostei. Deu mais vida ao mequinha e alertou o Vasco.
Quanto ao hino, lindo, o Lamartine utilizou uma marcha americana, conhecidissima, e fez um belo hino.
abs
fernando cals

sexta-feira, fevereiro 09, 2007  
Blogger Deize said...

E eu sou americana de coração também... já tive até título do Club !!!!

Beijo, Adelino !

sábado, fevereiro 10, 2007  
Anonymous Adelino said...

Fernando Cals, o Lamartine compôs antes da Copa de 1950 no Brasil, sob encomenda, de uma tacada só, os hinos dos clubes cariocas. A do América, por ser America, foi de fato inspirada numa marcha militar americana.
No assunto, Fernando: tenho uma relíquia comigo que me parece, vai te agradar. Vou escaneá-la e fazer um post. Aguarde.
Abraços do
Adelino

domingo, fevereiro 11, 2007  
Anonymous Adelino said...

DEIZE, todos somos um pouco América, por isso as eventuais derrotas diante dele, dóem menos.
Beijos, Deize!!!

domingo, fevereiro 11, 2007  

Postar um comentário

<< Home