05 agosto 2008

46 ANOS SEM MARILYN MONROE

----------------------------------------------------------------------------------
Marilyn Monroe nasceu em 1 de junho de 1926. Embora mais conhecida principalmente por sua beleza incomparável, foi considerada pelos "experts" uma das maiores atrizes que já passaram por Hollywood. Atuou com brilho em “Quanto mais quente melhor”, “Os desajustados”, “Niagara” e tantos outras produções de sucesso.

Seguindo a triste rotina do mundo do cinema, Marilyn morreu aos 36 anos de idade em sua casa, no dia 5 de agosto de 1962, portanto há exatos 46 anos. As circunstâncias da morte admitem até hoje diferentes versões, nenhuma delas bem esclarecidas. Oficialmente sua morte foi provocada por ingestão de uma superdose de barbitúricos, mas fatos estranhos teriam acontecido naquela noite e em dias porteriores:
1 – Um helicóptero teria sobrevoado a casa dela, e uma ambulância vista esperando fora da residência antes mesmo que fosse dado o alarme;
2 – Marilyn teria feito ligações telefônicas para a Casa Branca momentos antes de morrer;
3 – Gravações de seus telefonemas teriam desaparecido;
4 – Os documentos em poder do FBI relativos à tragédia teriam sido suprimidos;
5 – Os amigos que tentaram investigar as causas teriam sido ameaçados de morte;
7 – O relatório da autópsia simplesmente teria sumido;
8 – Marilyn teria tido casos com os irmãos Kennedy, o John e o Robert. John era cunhado do ator Peter Lawford, que levava astros e estrelas para as festas comemorativas na Casa Branca.

Como se vê, um drama policial com todos os ingredientes de certas produções "hollywoodianas", com a diferença de que nestas, os casos são solucionados, e os culpados descobertos e punidos.
----------------------------------------------------------------------------------
Imagem: foto de Eve Arnold
----------------------------------------------------------------------------------

36 Comments:

Blogger Aninha Pontes said...

Adelino, o mais triste disso tudo, é pensar que uma moça tão bonita, com tanta coisa pela frente, tanto sucesso ainda, se despede da vida assim, sem mais nem menos.
É uma pena, ver tanta falta de amor próprio.
Um beijo

terça-feira, agosto 05, 2008  
Blogger Eduardo P.L. said...

Adelino,

me pergunto: Como pude sobreviver sem ELA!

Abçs

Obrigado pelo link da TERTÚLIA VIRTUAL.

terça-feira, agosto 05, 2008  
Anonymous Andréia Nery said...

Adelino, obrigada pela visita e pelas palavras sempre incentivadoras . Gosto de lê-las. Beijos.

terça-feira, agosto 05, 2008  
Blogger Georgia said...

Há muitas coisas na vida das pessoas normais e mais ainda na vida dos artistas que ninguém sabe o que se passa mesmo no interiri de cada um.
Mas que ela ainda continua sendo um mito, ah, isso continue e de uma beleza fenomenal. Eu acredito que ela nao era para aquela época, ela estava quilômetros avancada no tempo.

Boa semana

quarta-feira, agosto 06, 2008  
Blogger Yvonne said...

Adelino, MM é símbolo do que existe de pior no mundo das celebridades. Uma pena que tenha morrido tão jovem e dessa forma. Linda, maravilhosa, desejada por todos os homens, mas infeliz.
Beijocas

quarta-feira, agosto 06, 2008  
Blogger The Popcorn_Nose said...

Olá!!!

Não é a primeira vez que entro aqui no blog do senhor. Nem me lembro como o descobri, mas de vez em quando me lembro e venho aqui dar uma espiada! Entretanto hoje resolvi sair do escuro e postar um comentário! =)

A Marilyn era sensacional mesmo! E essas icógnitas que rondam a morte dela realmente seriam um excelente roteiro hollywoodiano...

Inclusive, penso que já está passando da hora dos roteristas de Hollywood contarem a história de Marilyn Monroe nas telonas, o que já foi feito com outros gênios no mundo do entretenimento, como Ray Charles, e até com outros que fizeram muito menos, como o rapper Eminem.

Agora também sou blogueira (há um mês apenas) mas as vezes escrevo umas coisas legais (risos). Quando puder, me faça uma visita!

Um abraço carinhoso!

Mila

quarta-feira, agosto 06, 2008  
Blogger sonia a.m. said...

Adelino,
Sempre que vejo reportagens sobre a Marilyn Monroe fico imaginando como é que ela estaria hoje, seja visualmente, seja como atriz... Penso que talvez ela viva não teria se transformado neste ícone que é hoje... quem sabe...
Como sempre, você trazendo para nós ótimos posts!
Beijos!

quarta-feira, agosto 06, 2008  
Blogger Cristiane said...

Amigo Adelino,

Que bom vir aqui.
Passei uns dias fora, mas já estou de volta, agradeço sua visita lá no Fragmentos, e hoje consigo dar uma passadinha por aqui, um lugar sempre agradável de se visitar, em especial pelo carinho com que vc prepara cada um de seus posts, enriquecendo-os com detalhes de pesquisa, deixando a quem te visita um bom leque de informações.

O que sempre me impressiona, é o trágico presente na vida dessas grandes celebridades, o quanto ocnseguem ser infelizes, mesmo tendo tudo o que muitos queriam ter...um exemplo de que fama e fortuna não trazem a tão sonhada felicidade, não é mesmo?

Quando puder, apareça, fiz um post novo hoje!
Um abraço carinhoso, Cris

quarta-feira, agosto 06, 2008  
Blogger Luci Lacey said...

Adelino

Ja li que ela era pessima atriz, por ser alcoolatra e tomar muito remedio para dormir, era uma dificuldade faze-la, gravar uma cena.

Mas como era linda, mum mito, eles faziam tudo para despistar e faturar me cima da beleza dela.

Era linda e charmosa.

Beijinhos

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ana, é impressionante mesmo. Parece uma constante essas tragédias, com rarissimas exeções. Fenômeno que atingia também astros famosos. E até os nem famosos.
Um beijo.

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Eduardo, você demonstra ter sido mesmo um grande admirador da Marilyn. Confesso que a achava muito bonita, nem tanto em seus filmes, mas nas fotos. E você sabia que ela fez cirurgia plástica no nariz? Quando era apenas Norma Jean.
Grande abraço.

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Andréia, nada tem a agradecer.
Obrigado. Beijos

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Georgia, é um mistério quase insondável. Entretanto, fica a questão: teriam eles propensões às tragédias (maiores ou menores) porque são artistas ou por terem essas propensões é que teriam escolhido a vida de artistas? Resumindo: os - hoje chamados - "desvios de conduta" já não fariam parte da personalidade deles antes mesmo de se tornarem artistas famosos e/ou não famosos?
É um caso sério, menina.
Abraços. Ótima semana.

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Yvonne, eu tenho um livro sobre a vida de Marilyn, de Norman Mailer, muito interessante. A vida particular dela já era um drama antes mesmo de se tornar famosa. Era extremamente carente. De tudo. O maior sonho dela, para se ter uma idéia, era o mesmo da maioria das mulheres famosas ou não famosas: ser mãe.
Uma presa fácil para pessoas
inescrupulosas, comuns no meio cinematográfico principalmente dos grandes centros. E vivíamos uma época em que tudo era muito camuflado. A censura funcionava com "perfeição".
Destaque-se em sua vida o cuidado e o amor que lhe foram dedicados por Joe Di Maggio.
Beijos. Obrigado pela participação.

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Mila, foi ótimo você ter resolvido "sair do escuro e postar um comentário"...
É verdade, a vida da Marilyn Monroe já deveria estar nas telonas, e não apenas em documentários. Serviria até de exemplo para muitas artistas novas que estão iniciando suas carreiras.
Mila, parece-me que gosta de cinema. Não apenas do "produto final do cinema", mas também dos que "fazem ou fizeram cinema". Não sei se viu em post passado um excelente livro de "quase memórias" (que me perdoe o Cony), escrito pela Dulce Damasceno. É uma sucessão de grandes ou pequenas tragédias. Que somente agora são reveladas. Claro que em meio a isso tudo as exceções existiram e existem.
Um abraço carinhoso, Mila, obrigado pela visita e pelos comentários, mas volte sempre. Vou ver o seu blog, ok?

PS - Pra quem gosta, informo que a Damasceno escreve atualmente na revista SET (seção TAKES), dedicada ao cinema de um modo geral.
Abs

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Sonia, penso igual a você neste aspecto. Tem ídolos do passado que são "ídolos" por toda vida justmente pela pouco tempo que estiveram entre nós. Veja o caso de James Dean, Elvis Presley e tantos outros. De vez em quando ficamos sabendo da partida de grandes astros do passado e que ficaram no ostracismo. Se tivessesm partido quando no ápice de suas carreiras, seiam cultuados até hoje. No máximo são homenageados pelo "conjunto da obra" ou pelos "bons serviços prestados ao Cinema" durante as cerimônias de entrega dos Oscar.
Aqui no Brasil mesmo temos o caso da Leila Diniz. E se ela estivesse por aqui ainda? Toda plastificada, siliconada, dando entrevistas ao Amaury Jr, Hebes, Caras etc? Ficou o mito. E isso vale para todas as outras atividades. Na política, e se Fidel tivesse perecido na Revolução cubana quando ainda jovem? Seria São Fidelito. Hoje, decadente, é motivo de chacota. Enquanto isso a imagem de Che percorrre o mundo como herói.
Chega, falei demais.
Grande abraço, Sonia.
PS - Como sempre, ressalvo: exceções existem.

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Cristiane, nem sempre. O espaço é pequeno para que nos aprofundemos em pesquisas muito detalhadas. Além do que, são assuntos que estão em milhares de blogs espalhados pelo mundo. A nossa/minha intenção é apenas a de lembrar uma personalidade, um fato. E veja como o post ficou extenso, com opiniões e comentários interessantes.
Você disse uma verdade: fama e fortuna nem sempre trazem felicidade. Não mesmo. É como uma festa: quando termina gostaríamos que recomeçasse do zero. Talvez o verdadeiro felicidade esteja somente no fato de conquistar fama e fortuna: feito isto, recomeça-se tudo.
Tenho ido sempre ao seu blog aprender muita coisa interessante.
Beijos, muito obrigado pela presença.

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous Anônimo said...

As opiniões divergem, não é, Luci. dizem que foi uma grande atriz. Pode ser até que se referissem ao seu potencial artístico, pouco ou mal explorado. O problema do alcoolismo etc têm sua origem na sua infância/adolescência já muito confusa. Como todos os mitos, todos os ídolos, continuo achando que apenas 30 por cento de tudo o que se escreve, se fala e se mostra deles ou sobre eles sejam verdadeiros. Uma coisa é inegável: era muito bonita. Uma pena, não é?
Um abraço, Luci, e ótima semana. Obrigado pelo prestígio de sua visita.

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Anonymous ADELINO said...

Luci, minhas desculpas: o ANÔNIMO que comentou o seu comentário sou eu mesmo: ADELINO.
Abrs

quinta-feira, agosto 07, 2008  
Blogger Maria Augusta said...

Adelino, realmente tem muito mistério envolvendo a morte dela, muita gente poderosa envolvida. Que coisa mais triste perder a vida assim tão jovem e para seus fãs perder o talento desta grande atriz tão cedo.
Ótimo post!
Um grande abraço para você.

sexta-feira, agosto 08, 2008  
Blogger Lia Drumond said...

Linda, loira e louca! Não importa, nenhuma conclusão vai trazer a musa de volta, e talvez por isso é que será sempre musa. Bjs

sexta-feira, agosto 08, 2008  
Blogger Celia Rodrigues said...

Uma coisa não se pode negar: ela era realmente linda! Um insulto divino às mulheres comuns, rs.
Aceitando à sua sugestão, a amizade é o assunto em pauta no Prisma. Abraço!

sexta-feira, agosto 08, 2008  
Blogger Ruvasa said...

Viva, Adelino!

Sim, um mistério que talvez muita gente lá por perto não desconheceu, mas que não pôde desvendar. E tal mistério parece ter tido ramificações cerca de ano e meio mais tarde, em Dallas.

Vi os três filmes que apontei e, para ser framco, não era especial admirador dos dotes cinematográficos de Norma Jean.

Abraço

Ruben

sexta-feira, agosto 08, 2008  
Anonymous DO said...

Poxa,ADELINO,desconhecia totalmente que todas estas coisas tivessem acontecido naquela oportunidade.
Daria um belo filme,não acha??

Abraços!

sexta-feira, agosto 08, 2008  
Anonymous Adelino said...

Maria Augusta, muitas personalidades viram mito justamente pela morte prematura e em circunstâncias trágicas ou misterioras, não é? A Marilyn infelizmente foi apenas mais um dos muitos casos conhecidos. E nunca saberemos verdadeiramente o que aconteceu, a não ser a certeza de sua perda.
Abraços, e ótimo final de semana.

sexta-feira, agosto 08, 2008  
Anonymous Adelino said...

Lia, a Marilyn teve durante a infância e adolescência sérios problemas não provocados por ela, que foi apenas uma vítima. Não creio que ela pudesse tê-los evitado. Extremamente carente de segurança e carinho, acredito que ela tenha sido uma jovem solitária no meio de milhões de admiradores e, infelizmente, também de pessoas que de sua beleza se aproveitaram de uma forma ou de outra. Mas a vida é assim. Ninguém sabe o que se passava em seu íntimo, os dramas que vivia naquela cidade de sonhos e de pesadelos que se chama Hollywood.
Beijos. Um ótimo final de semana.

sexta-feira, agosto 08, 2008  
Anonymous Adelino said...

Célia, a Marilyn era linda mesmo. Lá em casa assinávamos a revista LIFE, e lembro-me até hoje do escândalo causado pela famosa foto do calendário. Uma foto que se fosse hoje teria o mesmo efeito da publicação de uma capa com a Madre Teresa...
Feliz e honrado por você ter atendido a minha sugestão, estarei lá no PRISMA lendo e comentando logo logo.
Um abraço e ótimo final de semana.

sexta-feira, agosto 08, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ruben, é uma honra tê-lo comentando por estes lados. Você lembrou bem: a morte da Marilyn parece ter ramificações com o caso de Dallas. O mais curioso de tudo, Ruben, é que as coisas parecem tão evidentes que acabam se transformando em lendas, meras especulações, hipóteses as mais mirabolantes. E a verdade mesmo se perde em meio a tanto boato.
Muito grato pela visita, ótima semana.

sábado, agosto 09, 2008  
Anonymous Adelino said...

Do, Hollywood, pelo menos nos idos das décadas passadas, sempre foi uma fábrica de mistérios, tanto reais quanto encenados. Quem se aprofundar um pouqinho mais nos bastidores dos estúdios e mesmo da vida dos astros e estrelas, ficará com uma pontinha de decepção. Ficamos, então, apenas com o que representaram nas telas dos cinemas, que é bem melhor. Não obstante isso, as exceções sempre existiram, claro.
Um abraço, ótimo final de semana.

sábado, agosto 09, 2008  
Blogger Maria Augusta said...

Adelino, passei para te desejar um Feliz Dia dos Pais ao lado de teus entes queridos.
Um grande abraço.

domingo, agosto 10, 2008  
Blogger Aninha Pontes said...

Adelino meu amigo querido.
Espero que tenha tido a benção de um dia dos pais feliz, com muita alegria e muito carinho, como você merece .
Um beijo

domingo, agosto 10, 2008  
Blogger valter ferraz said...

Adelino,
passando para agradecer as palavras no perplexo e deixo aqui meu abraço especial no dia dos pais.
Abraço forte

domingo, agosto 10, 2008  
Anonymous Adelino said...

Muito grato, Maria Augusta. Não sou muito chegado a essas datas, mas até que servem para que os filhos se desinibam um pouco e "se abram" para os pais, coisa que sempre desejaram, mas não tinham oportunidade por inibição. Felizmente não é este o nosso caso.
Um abraço. Ótima semana.

domingo, agosto 10, 2008  
Anonymous Adelino said...

Muito obrigado, Aninha, realmente foi um dia tranquilo e feliz. Ausência sentida, mas faz parte da vida. Tudo de bom pra vocês.
Beijo. Ótima semana.

domingo, agosto 10, 2008  
Blogger Saia Curta said...

OLÁ ADELINO ADOREI SUA MATÉRIA SOBRE MARILYN MOROE. TENHO 45 ANOS E ATÉ HOJE LEMBRAM DESSA M,ULHER LINDA....
INFELIZMENTE ATÉ HOJE NADA SE DESCOBRIU COM EXATIDÃO...
PARABÉNS....
COM CARINHO
N@N@

domingo, setembro 14, 2008  
Anonymous Maria das Graças said...

Com toda a vida de luxo e depressão de Marilyn Monroe, ninguem morreria de uma morte, onde existem várias versões, como quiseram demonstrar para denegrir uma imagem..
Uma grande perda desta artista tão famosa!
Maria das Graças.

sábado, maio 09, 2009  

Postar um comentário

<< Home