26 junho 2008

1958 - A TAÇA DO MUNDO É NOSSA ( 2 )

----------------------------------------------------------------------------------
Voltemos à "nossa" Taça do Mundo predileta... Apesar da classificação obtida de maneira difícil, quando vencemos no Maracanã a então fraca equipe do Peru, eu e mais milhões de torcedores brasileiros que nos decepcionamos nas Copas de 50 e de 54, trazíamos alguma esperança para aquela de 1958. Uma seleção que partiu desacreditada para a Europa (num Constellation da Varig...), com o ataque titular formado por Joel, Moacir e Dida (Flamengo), Mazzola (Palmeiras) e Zagallo, deu-nos a impressão de que algo de bom estava para acontecer quando vencemos de goleada dois dos maiores times italianos na época. Eram jogos amistosos, preparatórios, mas vencemos bem.

Estreamos na Taça do Mundo no dia 8 de junho (domingo) vencendo a Áustria por 3 a 0, segundo a imprensa esportiva, um "escore" que não espelhava o que tinha sido uma “peleja” dura para os brasileiros. Os “ralfes” e muito menos os “beques” não ousavam avançar ou chutar ao “arco" adversário, por isso a repercussão que teve o gol marcado por Nilton Santos, um "player" de defesa, que avançou pela "meia cancha" e foi fazer o segundo gol...

Passamos pela Áustria, mas mudanças precisavam ser feitas, e entrou Vavá no lugar de Dida para o segundo jogo dia 11 de junho (quarta-feira) contra a sempre favorita e poderosa Inglaterra, a inventora do futebol. Realmente foi um sofrimento só: um perigoso empate de 0 a 0.


O terceiro jogo, contra a URSS no dia 15 de junho (domingo), foi praticamente decisivo para a nossa classificação, entraram: Garrincha, no lugar de Joel, Pelé, no de Vavá, passando este a “center-forward” no lugar de Mazzola, e na defesa entrou Zito no lugar de Dino Sani. Resultado: Brasil 2 a 0, uma exibição que encantou o mundo, com destaques para Garrincha e Pelé, este com apenas 17 anos de idade.

Avançamos então às quartas-de-final, e no dia 19 de junho (quinta-feira), o Brasil, com Mazzola, mas sem Vavá, venceu o País de Gales por apenas 1 a 0, numa partida emocionante do começo ao fim.

E chegamos às semi-finais enfrentando no dia 24 de junho (terça-feira) a poderosíssima França que já vinha de goleadas em seus adversários. Vavá retornou ao comando do ataque no lugar de Mazzola. Parecia impossível, difícil, mas vencemos os franceses por 5 a 2, habilitando-nos à disputa do troféu Jules Rimet, a tão sonhada Taça do Mundo (não se falava Copa, mas sim, Taça). (Continua amanhã)
----------------------------------------------------------------------------------

Imagem escaneada por APS da edição especial da Gazeta Esportiva
----------------------------------------------------------------------------------

4 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Adelino,

estou adorando estes posts. Gosto muito de esportes, especialmente futebol, vôlei e tênis.
Em 58, eu estava em Belo Horizonte. Vinda do interior - acabara de entrar na faculdade - era meu primeiro ano lá.
"Lembro-me como se fosse hoje" de ver, no centro da cidade, as pessoas aglomeradas em volta dos alto-falantes da avenida principal a Afonso Pena. Televisão? Nem pensar. O império era o do rádio. Meses depois, o cinema nos mostraria tudo aquilo, no Canal 100, não era isso? Me corrija, se estiver confundindo.
Estou esperando os próximos posts. Bom ler os nomes de Bellini, Gilmar, Pelé, Garrincha. Sem saudosismo, eles nos lembram tempos menos mercenários e -indiscutivelmente - mais poéticos.

Beijos,

Vivina.

quinta-feira, junho 26, 2008  
Blogger Luci Lacey said...

Ai Adelino

50 anos ja hein?

O ano em que nasci, daqui uns dias, faco meio seculo, alias 5.0 rsrs

Tenho muita saude, isto e maravilhoso.

Beijinhos

quinta-feira, junho 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

VIVINA, é curioso como todos, se nascidos, relacionam fatos de suas vidas aos grandes acontecimentos nacionais ou internacionais. Eu não posso afirmar se era o Canal 100, do Carlos Niemeyer, que apresentava os jogos filmados.
Só sei que a TV Continental, aqui no Rio, isto em 1959/1960, passava no intervalo dos jogos, os gols do Maracanã. Filmavam, com celulóide mesmo, revelavam, projetavam e mostravam na hora mesmo, uma imagem incrivelmente sem nitidez alguma...
Beijos. Ótima semana. Obrigado pela participação.

sábado, junho 28, 2008  
Anonymous Adelino said...

Luci, obrigado pela sua participação. Ela foi importante. Sei que o tema é meio repetitivo, mas eu não poderia deixar de registrar 1/2 sáculo daquela Taça inesquecível.
Beijos. Ótima semana pra nós todos.

sábado, junho 28, 2008  

Postar um comentário

<< Home