27 junho 2008

1958 - A TAÇA DO MUNDO É NOSSA (Final)

----------------------------------------------------------------------------------
Meu irmão e eu nos deslocamos até as proximidades do Teatro Municipal, onde uma multidão, apesar do intenso frio, acompanhava os jogos pelos alto-falantes colocados no alto dos postes. A massa de torcedores vibrava e comemorava agitando bandeirinhas do Brasil. Edições-extraordinárias de jornais e revistas recém-saídas das rotativas esgotavam-se rapidamente.A Gazeta Esportiva lançou uma bem elaborada "Edição Monumental", ao preço de Cr$ 20,00 que também se esgotou imediatamente mal saiu às ruas (tenho o meu exemplar até hoje).

As televisões brasileiras não tinham ainda os recursos do “vídeo-tape”. Somente na terça-feira a população pôde assistir pela TV Tupi um filme com trechos do jogo decisivo, em preto e branco, pouca nitidez... Mas valeu a pena. O que interessava era a vitória da nossa Seleção. Dias depois assistimos ao festivo regresso dos jogadores em vôo especial do mesmo Constellation que os levara semanas antes em busca da tão sonhada e cobiçada Taça Jules Rimet. Empregados de todas as categorias foram dispensados mais cedo do trabalho para recepcionar seus campeões. Na Avenida Rio de Janeiro, em frente ao local em que futuramente seria construída a sede do Jornal do Brasil, vimos os nossos "heróis" desfilando sobre carros do Corpo de Bombeiros, destacando-se o capitão da equipe Bellini empunhando a Taça Jules Rimet, num gesto que vem sendo repetido a cada quatro anos pelos capitães das seleções vencedoras. Após desfile pelas avenidas Brasil, Presidente Vargas e Rio Branco chegaram ao Palácio do Catete onde foram homenageados pelo Presidente Juscelino Kubistcheck de Oliveira.

Um fato aparentemente simples marca a diferença fundamental entre duas épocas: a de 1958 e aquelas pós-1980: quase uma semana depois o Vasco da Gama estreava no Campeonato Carioca de 1958 apresentando como atrações nada menos do que três campeões mundiais: Bellini, Orlando e Vavá; o Botafogo, Didi, Garrincha, Nilton Santos e Zagallo, recém-transferido do Flamengo; este, com Moacir, Dida, Joel; o Fluminense com Castilho e o Bangu com Zózimo. Em São Paulo, o Santos com Pelé, Zito e Pepe; o Corinthians com Gilmar e Oreco, a Portuguesa de Desportos com Djalma Santos, o São Paulo com De Sordi, Dino Sani e Mauro. Os grandes campeões do mundo ficavam no Brasil. Valia a pena torcer e vibrar com a Seleção. No dia 29 de junho de 1958, portanto há 50 anos, a Taça do Mundo finalmente era nossa pela primeira vez. Outras quatro viriam, mas sem o mesmo sabor, emoção e romantismo... (FIM)
----------------------------------------------------------------------------------
Imagem: Google
----------------------------------------------------------------------------------

4 Comments:

Blogger Maria Augusta said...

Pois é, depois os jogadores ficavam no Brasil mesmo, porisso tinham tanto amor à camisa. Até o Pelé que foi tão cobiçado só foi para o Exterior quando se "aposentou" no Brasil.
Parabéns pela série, gostei muito.
Abraços e bom fim de semana.

sábado, junho 28, 2008  
Anonymous peri s.c. said...

Adelino
Você é uma de nossas " testemunhas viva da história ".
Bela série.
E não seja modesto : os sites e blogs ( e jornais e rádios e tv ) dos jornalistas esportivos mostram que só uns 5% de nossa pífia crônica esportiva é para ser levado à sério.

Quanto ao amor pela seleção, estamos em outros tempos : o sonho deles hoje é o Milan, a Inter , o Real Madrid, o Barcelona.

Abraço

sábado, junho 28, 2008  
Anonymous Adelino said...

Maria Augusta, se não não ficavam, pelo menos saíram depois de um bom tempo. E assim mesmo poucos. Mazzola já estva sendo negociado pelo Palmeiras, e Didi para o Real Madrid, mas no caso deste, demorou mais.
Obrigado pela atenção.
Abraços. Ótima semana.

segunda-feira, junho 30, 2008  
Anonymous Adelino said...

Peri, é verdade, os tempos são outros. Não os condeno, não, são profissionais, e isto acontece em todos os ramos de atividade humana. Só não temos o mesmo gosto, o mesmo prazer de torcer como torcíamos pela nossa Seleção. Hoje, torce-se, com muito mais paixão e emoção pelos clubes de nossa preferência do que pela Seleção, e assim mesmo somente quando estão disputando bem alguma competição.
Grande abraço, Peri. Obrihado pelos comentários, e ótima semana.

segunda-feira, junho 30, 2008  

Postar um comentário

<< Home