24 agosto 2007

Tem mais: JÂNIO QUADROS - 25/08/1961


----------------------------------------------------------------------------------
Recordo-me como se fosse hoje: eu passava alguns dias de férias em Santos (SP) na casa de minha irmã e seu marido, que tinham três filhos pequenos, meus sobrinhos. Naquele dia, voltando da praia do Gonzaga, assim que entrei na nossa rua vi meu sobrinho, o mais novo dos três, com seis ou sete anos de idade, vir correndo em minha direção gritando:
- Tio, sabe o que aconteceu?
- O quê? – perguntei um tanto assustado. Algo grave tinha acontecido.
- O Jânio Quadros não quer mais ser presidente. – disse-me ele exatamente assim.
- Mas como?
- Pediu demissão...

Apressamos os passos e fomos acompanhar pela TV Tupi-SP os desdobramentos da crise causada pela renúncia do presidente, uma renúncia até hoje não bem explicada. Ia me esquecendo do dia: 25 de agosto de 1961, um dia que nem hoje...

----------------------------------------------------------------------------------
Imagem escaneada por APS, de uma edição do Jornal do Brasil.
----------------------------------------------------------------------------------

26 Comments:

Blogger Yvonne said...

Adelino, confesso a você que não entendo patavinas dessa história. Beijocas

sábado, agosto 25, 2007  
Anonymous Adelino said...

Yvonne, não é só você que não entende, não entendeu e nem entenderá. Ninguém nunca entendeu nada. Mas que foi um dia marcante foi. Não podemos dizer que faltou alguma coisa. Já tivemos de tudo.
Feliz sábado.
PS - Hoje tem história nova? Estou adorando os seus posts, Yvonne.
Adelino

sábado, agosto 25, 2007  
Blogger valter ferraz said...

Adelino, vc acrediota que eu me lembro de ter escutado a notícia no velho rádio de meu pai. Do alto de meus cinco anos de idade, percebí que algo de muito grave havia acontecido(acho que minha conciência política vem dessa época). Meu pai acompanhava a Voz do Brasil e o assunto rendeu algumas semnas. E eu, tinha razão nos meus temores. O que se seguiu foi um desastre completo.
Décadas depois, já adulto ví perplexo tal figura eleger-se com voto popular e maciço, prefeito de São Paulo. Daí prá cá, desacredito na sabedoria do povo. Desconfio, sempre. Não me iludo mais, gráças à Deus.
Bom final de semana,
Grande abraço

sábado, agosto 25, 2007  
Blogger Sonia said...

Mais História para que a gente não se esqueça da nossa História!
Abraços!

sábado, agosto 25, 2007  
Anonymous peri s.c. said...

Lembro perfeitamente do dia. Meu pai, com a cara séria, veio me dizer que o presidente havia renunciado. Mas só percebi a importância do fato quando ele completou a informação dizendo que não haveria aula, provavelmente por vários dias. Que foi o que aconteceu. Por uns tempos, torci por várias renúncias.

sábado, agosto 25, 2007  
Blogger Denise said...

eu tinha 4 anos de idade... Só sei o que a História conta. Não é a mesma coisa que ter vivenciado, não é mesmo?
abraço, garoto

sábado, agosto 25, 2007  
Blogger Luci Lacey said...

Adelino

Nasci em 58, e mesmo sem entender nada da vida, sabia que havia algo errado, se conversa baixo sobre politica em casa.

Papai tinha ideias socialistas e mamae morria de medo.

Eram 3 filhos e por causa deles papai, andou pisando no freio, mas nao deixou de ter a visao dele.

A politica nossa, sempre foi obscura ou entao, como agora, escancara a roubalheira, alias que existe desde que o Brasil foi descoberto.

Beijinhos e bom Domingo

sábado, agosto 25, 2007  
Blogger O Meu Jeito de Ser said...

E a gente vem todos os dias, para saber da história de nosso país.
Adelino é cultura e memória.
Isso aqui é uma fonte de aprendizado.
Parabéns Adelino.
Um beijo e bom domingo.

domingo, agosto 26, 2007  
Anonymous Adelino said...

Valter, uma vez vi uma propaganda interessante da revista Veja. Perguntavam assim: "Em que lugar você se encontrava quando..." (e aí relacionavam diversos acontecimentos de repercussão nacional ou mundial, de qualquer espécie. São fatos que ficam associados a lugares e pessoas em nossa mente. Pare um pouco e se faça essa pergunta. É um jogo de memória fascinante.
Grande abraço e bom domingo.
Adelino

domingo, agosto 26, 2007  
Anonymous Adelino said...

Sonia, muito bem: mais história para que não esqueçamos nossa História. E sempre acrescentamos ou suprimimos um detalhe na nossa historinha pessoal que julgamos sem importância. Essa da renúncia do Jânio, por exemplo, eu conto muito em família, mas três sobrinhos meus reivindicam cada um para si o personagem que me deu a notícia em primeira mão... Sinceramente, eu estou em dúvida entre dois deles... Por isso nem cito nomes...
Beijos e bom domingo, Sonia.
Adelino

domingo, agosto 26, 2007  
Anonymous Adelino said...

Peri, você gostou da suspensão das aulas. Eu não tinha aulas, mas tive de garantir o meu regresso para o trabalho no Rio (uma grande empresa muito exigente e disciplinada), por isso corri para comprar uma passagem no Expresso Cometa.
Não existia Santos-Rio, mas Santos-SP-Rio... Na estrada vi algumas formações miliares mantendo a ordem, mas tudo tranquilo. O pior viria depois.
Grande abraço, Peri, e bom domingo.
Adelino

domingo, agosto 26, 2007  
Anonymous Adelino said...

Peri, você gostou da suspensão das aulas. Eu não tinha aulas, mas tive de garantir o meu regresso para o trabalho no Rio (uma grande empresa muito exigente e disciplinada), por isso corri para comprar uma passagem no Expresso Cometa.
Não existia Santos-Rio, mas Santos-SP-Rio... Na estrada vi algumas formações miliares mantendo a ordem, mas tudo tranquilo. O pior viria depois.
Grande abraço, Peri, e bom domingo.
Adelino

domingo, agosto 26, 2007  
Anonymous Adelino said...

Na verdade, Denise, nós contamos o nosso lado, o que sentimos, o que vimos, as nossas emoções, surpresas. A História verdadeira deve ser um pouco diferente daquela que imaginamos. Então lemos diversos livros e artigos, e escolhemos aquela versão que nos parece a mais convincente, e que talvez nem seja a que mais se aproxima da realidade.
Um abraço, garota, e bom domingo para você e familiares.
Adelino

domingo, agosto 26, 2007  
Anonymous Adelino said...

Luci Lacey, o curioso dessa renúncia foi que a UDN apoiou - depois de um vibrante discurso de convencimento de Carlos Lacerda na Convenção aqui no Rio -, a candidatura de Jânio quadros à presidência.
Eu intimamente acho que Jânio deu uma daquela do namorado que diz à mocinha:
- Vou embora. Tudo acabado entre nós... (pensando que ela vai chamá-lo de volta com todas as regalias) e ela não chama. Coloca outro no lugar quase na mesma hora...
Beijos, e bom domingo.
Adelino

domingo, agosto 26, 2007  
Anonymous Adelino said...

Anna, gostei demais da participação de todos vocês nos comentários.
É muita bondade sua dizer que acrescento algo na História. Não, são apenas fatos importantes que queiramos ou não, influenciaram as nossas vidas, de uma ou de outra maneira. Eu até acho que a Memória Viva é muito pouco explorada, mas muito importante.
Obrigado, Anna, um beijo também, um ótimo domingo para todos os seus.
Adelino

domingo, agosto 26, 2007  
Anonymous aninha-pontes said...

Pois é Adelino, é por essa memória viva pouco explorada, que voc~e faz questão de aflorar, que nos faz remexer na memória ou aprender, muitas vezes você diz coisas aqui que eu, e muitas outras pessoas desconheciam.
Gosto disso aqui no seu blog, essa seriedade com as coisas que valem a pena.
Um beijo

domingo, agosto 26, 2007  
Blogger Eduardo P.L. said...

Eu, nesse dia, estava em Cataguazes, MG, onde estudava! Lembro como se fosse hoje!

Abçs

segunda-feira, agosto 27, 2007  
Blogger valter ferraz said...

Adelino, desculpe-me ficar te cobrando post, mas esse Jânio aí, não vale tanta exposição assim, bora trocar de personagem, vai.
Se faltar assunto, fale comigo.
Abraço forte, rapaz!

terça-feira, agosto 28, 2007  
Blogger Yvonne said...

Adelino, passei por aqui só para deixar beijocas cruz-maltinas.

terça-feira, agosto 28, 2007  
Anonymous Adelino said...

"... que nos faz remexer na memória..."

Gostei, Anna, você disse tudo, foi muito feliz no comentário.
Beijo

terça-feira, agosto 28, 2007  
Anonymous Adelino said...

É assim mesmo, Eduardo, fatos marcantes se juntam em nossa memória à nossa vida pessoal. E não esquecemos nunca.
Grande abraço

terça-feira, agosto 28, 2007  
Anonymous Adelino said...

Valter, concordo totalmente contigo, mas ficar olhando esta imagem por muito tempo não dá.
Já atendi a sua sugestão, mas não aceito reclamações, retratações e explicações...
Grande abraço, caro Valter.

terça-feira, agosto 28, 2007  
Blogger Adelino P. Silva said...

Valter, acho que não fui claro. Não aceito, depois de você ter visto o post de hoje...
Abs
Adelino

terça-feira, agosto 28, 2007  
Anonymous Adelino said...

Yvonne, cada vez te admiro mais. Eu tento te provocar lá no seu blog, chego quase a defender o "seu Eurico".
Você aceitar os meus argumentos e ainda mandar beijocas cruz-maltinas é demais.
Pra você também, Yvonne, beijocas rubro-negras. Viu só como não existe ódio entre torcidas?

terça-feira, agosto 28, 2007  
Anonymous Adelino said...

Valter, muitas desculpas, achei melhor retirar do ar o post da foto do clip e o texto. Foi uma brincadeira, e receei causar-lhe algum desconforto.
Grande abraço.
Adelino
PS - Aproveito para pedir desculpas a querida CRISTIANE, ao nosso STRIX, ao grande EDUARDO e a você, Valter.
Aps

terça-feira, agosto 28, 2007  
Anonymous Maria das Graças said...

Realmente foi um surpresa para todos, pelo montante de votos; praticamente o Brasil inteiro votou nele.
Janio levou este segredo com ele, e apenas até hoje lamentamos a parada no progresso que com o seu ato,desencadiou,fazendo que o Brasil perdesse um tempo precioso para sua jornada de progresso eminente no futuro.
Foi lamentável mas, aconteceu.

Maria das Graças.

sexta-feira, maio 15, 2009  

Postar um comentário

<< Home