24 maio 2007

LOTERIA ESPORTIVA - TESTE N. 9

----------------------------------------------------------------------------------
(Clique sobre a imagem para vê-la em detalhes)
----------------------------------------------------------------------------------
Num incrível golpe de sorte, ao folhear um antigo livro guardado num canto da estante, eis que me cai de dentro dele nada mais nada menos do que o volante do Concurso Teste da Loteria Esportiva n. 9, de agosto de 1970 (uma relíquia, não é Helô?) O sistema de apostas de então estava engatinhando. Marcava-se na parte inferior do volante os palpites correspondentes aos treze jogos discriminados na parte superior (colunas 1, coluna do meio e coluna 2). Na “loteria esportiva” o funcionário introduzia o formulário (foto) juntamente com dois cartões rígidos num dispositivo com trinta e nove aberturas que se sobrepunham exatamente aos quadrinhos assinalados com um X pelo apostador. Com um estilete, perfurava simultaneamente o volante e os cartões que seriam posteriormente enviados à CEF, sendo que um deles era entregue ao apostador como comprovante. Na Caixa Econômica Federal, Rio de Janeiro, os cartões eram lidos e armazenados em carretéis de fitas magnéticas que seriam decodificados pelos “cérebros eletrônicos”, máquinas maiores do que uma geladeira. Realizados os jogos os resultados eram divulgados uns dois ou três dias depois. Não havia limite para o número de apostas.
Jamais ganhei um níquel nesta Loteria. Sempre tinha uma "zebra" atrapalhando... E você, já ganhou?
----------------------------------------------------------------------------------
Imagem de Adelino P. Silva
----------------------------------------------------------------------------------

16 Comments:

Blogger Yvonne said...

Adelino, o título desse seu post deveria ser "Diretamente do Túnel do Tempo". Rapaz, estamos ficando muito velhos. Meu Deus!!! Eu vi a Loteria Esportiva nascer. Nunca ganhei nada. Beijocas

sexta-feira, maio 25, 2007  
Blogger valter ferraz said...

Adelino, eu ganhei. Experiência. Nunca mais joguei em loteria nenhuma.
Abração

sexta-feira, maio 25, 2007  
Blogger Sonia A. Mascaro said...

Nossa! Nunca mais tinha visto um volante desses! A tia do meu marido que nunca entendeu nada de futebol ganhou logo no começo da Esportiva uma boa quantia! Mas não conheço mais ninguém que tenha sido premiado. Pelo que tenho lido ultimamente da vida dos ganhadores depois do prêmio, acho que é melhor não ganhar nada!

Gostei da sua participação no post sobre Livros. Obrigada!

sexta-feira, maio 25, 2007  
Blogger Eduardo P.L. said...

Adelino, eu não. Mas também nunca joguei. Nem nessa, e nem em nenhuma outra. E só ganha quem joga, ou compra bilhete premiado.! Abçs

sexta-feira, maio 25, 2007  
Blogger Lord Broken Pottery said...

Adelino,
Lembro com saudade dessa época. Ouvia os jogos do domingo com a cartela na mão, fazendo a contabilidade. Os sonhos eram lindos. Ficaria rico, viajaria, moraria em uma casa com piscina. A voz do maravilhoso Osmar Santos, o show de rádio do Sangirardi (que estava na parada e trazia o melhor lance da jogada) com tipos como: Didu Morumbi, Lança Chamas, Zoca, Nona, torcedores típicos de cada clube. Quando não conseguia acompanhar pelo rádio assistia a zebrinha no Fantástico. Recordar é viver!
Abração

sexta-feira, maio 25, 2007  
Anonymous Adelino said...

Yvonne, se você, que está na flor da idade, uma jovem, acha que "está ficando velha" o que sobra para o blogueiro que vos fala? Nada disso. Tudo é muito relativo. Uma historinha pessoal (para ilustrar): uma vez quando criancinha, perguntei a uma das minhas irmãs mais velhas qual a idade do Tyrone Power, ídolo dela, o galã de Hollywood. Quando ela disse 35/36 por aí, eu quase caí para trás. No meu entendimento ele era um velhote...

Eu me lembro do Teste 1 da Loteria Esportiva. Chamava-se de teste porque poderia ser suspenso, tal qual aconteceu com a CPMF... Foi ficando, ficando... ficou.
Beijos, Yvonne

sexta-feira, maio 25, 2007  
Anonymous Adelino said...

Valter, para não dizer que não ganhei, veja esta: uma vez conferi uma Quina. Tinha feito a quadra. Prêmio equivalente hoje a uns 400/500 reais. Quando, todo empolgado, contei para o meu filho do meio, adolescente, que estava perto, ele disse:
- "Legal, quando eu ouvi o resultado eu sabia que você tinha feito a quadra" - E eu perguntei:
- "Mas como você sabia?" - E ele:
- "Não se lembra quando te dei os palpites? O mês do meu aniversário, e mais o dia, o ano e a idade do Billy Joe"... Billy Joe era o cachorrinho da família...
Grande abraço, Valter
Quer dizer, nem palpite eu sabia dar...

sexta-feira, maio 25, 2007  
Anonymous Adelino said...

Sonia, numa época em que se fala tanto em distribuição de renda, acho um absurdo quando às vezes dão um prêmio acumulado da Mega-Sena de quase 60 milhões para um só ganhador. A premiação deveria ser melhor distribuída, contemplando melhor os que fizessem também 5, 4, 3 e até 2 pontos. O retorno seria maior, com certeza, e resolveria o problema de muitas pessoas para as quais uma quantia ainda que penquena faz diferença.
É curioso, Sonia, é verdade, alguns premiados com grandes valores geralmente, pelo que se divulga, acabam não se dando bem.
Um abraço.

sexta-feira, maio 25, 2007  
Anonymous Adelino said...

Eduardo, faz muito bem. eu também quase não jogo, por isso quase não erro...
Certa vez, li que perguntaram a Henry Ford qual o conselho que daria a uma pessoa que desejasse obter o mesmo sucesso financeiro que ele.
- "Não jogue e jamais faça apostas de qualquer espécie".
Grande abraço

sexta-feira, maio 25, 2007  
Anonymous Adelino said...

É mesmo, Lord, pegávamos as cartelas e torcíamos até o final.
Um dia uma colega minha fez os treze pontos. O rateio e nem o número de ganhadores tinha sido divulgado ainda. Ela estava fazendo mil planos: comprar um carro novo, um ap novo etc. Eu até cheguei a lhe dizer "Calma, espere para ver o rateio". Infelizmente não deu outra: o número de acertadores tinha sido tão grande que o prêmio ficava em torno de uns 200 reais de hoje... Que decepção para ela. Fiquei com pena.

Essa é pro Valter Ferraz: um time que "derrubava" muito palpite de Loteria Esportiva era o Palmeiras... Hoje não mais, "crava-se" um triplo e está resolvido...
Um abração, Lord, e muito obrigado.

sexta-feira, maio 25, 2007  
Blogger O Meu Jeito de Ser said...

Adelino, eu não poderia ganhar, afinal nunca joguei. Nem nesse jogo, nem em outro qualquer.
Mas acho que naquele tempo não existia as sacanagens que existe hoje né?
Não eram cartas marcadas, eu acho, já duvido de tudo.
Acabei de responder seu comentário lá.
Um abraço

sexta-feira, maio 25, 2007  
Anonymous Adelino said...

Anna, eu não acredito que exista fraude nas loterias. Os sorteios são públicos e bem auditorados.
Pelo menos eu prefiro pensar assim, caso contrário seria o fim de tudo.
Um abraço

sábado, maio 26, 2007  
Anonymous ery said...

Adelino, que relíquia!!!! Nunca ganhei um puta tostão. apostava com o coração quando meu time estava incluído no teste e invariavelmente - neste jogo - eu me ferrava. O Coritiba me deve uma grana violenta!! Depois vinham as "zebrinhas, zebras e zebrões". Não dava pra ser feliz. Mesmo assim tinha muitos "largos", lembra? Fazíamos bolão no BB com os números sorteados por um programa de computador. Nem perto. Ho! azar... // Abração.

terça-feira, maio 29, 2007  
Anonymous Adelino said...

Ery, eu também não ganhei nada. Nem experiência. Os bolões eram famosos. Toda sexta à noite, encerrado o expediente, havia uma reunião do bolão. Cada participante da comissão era encarregada de analisar um ou dois jogos. Estudava tudinho. Campo, arbitragem, escalações, retrospectivas, se com chuva ou sem chuva. No final, nada. Nadinha. Nove, dez pontos, se tanto. Mas era divertido. Bons tempos.
Um grande abraço, Ery.

quarta-feira, maio 30, 2007  
Blogger Fernando said...

Pois é, Adelino,
eu só jogo na Megasena. Sempre o mesmo jogo. E nada!!! 3 pontos, de vez em quando.
Nos idos de 90, antes de viajar para visitar meu filho em Paris, acertei 4 pontos e recebi aquela merreca(hoje, em torno de 250 reau!). De volta, uns trinta diuas depois, tornei a acertar 4 pontos, outra merreca.
Falei com um amigão e disse que eu estava chegando perto. Ao que ele, sabiamente (e os fados comprovaram)me disse:
"essa, os 4 pontos, é toda a sorte que você terá", às gargalhadas.
Não deu outra!
Mas, toda semana, três reau!, faço meu joguinho de sempre.
abração
fernando cals

sábado, junho 02, 2007  
Blogger Fernando said...

E tem mais. Adelino,
meu filho, certa vez, ganhou na Loteria Esportiva. Não achei o volante, o que não fez qualquer diferença, pois o rateio, dias de hoje, deveria ser uns 20 reais.
abração
fernando cals

sábado, junho 02, 2007  

Postar um comentário

<< Home