12 abril 2007

NÃO HÁ COMO NÃO TER SAUDADES

----------------------------------------------------------------------------------
Apesar de ser o único clube carioca a conquistar títulos de Campeão Brasileiro (1997 e 2000) nos últimos dez anos, não há como os mais exigentes vascaínos não sentirem saudades (os mais veteranos) dos jogadores que representaram o seu clube no passado.

Na foto, por exemplo, vemos Paulinho, Carlos Alberto Cavalheiro (hoje Conselheiro do CRVG) e Hideraldo Luiz Bellini, capitão da Seleção Campeã da Taça do Mundo de 1958, na Suécia. Os três compunham uma das melhores defesas do Vasco da Gama na década de 1950. O time completo era formado por Carlos Alberto, Paulinho e Bellini; Écio, Orlando e Coronel; Sabará, Livinho, Vavá, Valter e Pinga.
----------------------------------------------------------------------------------

10 Comments:

Blogger valter ferraz said...

Adelino, vejo que desde aquele tempo Valter e Pinga andavam juntos. Seria o destino?
Um ABRAÇO

sexta-feira, abril 13, 2007  
Anonymous Adelino said...

Bons tempos, Valter, em que os clubes brasileiros podiam manter seus craques. O Pinga (José Lázaro Robles) veio da Portuguesa de Desportos, de São Paulo. Grande jogador, sem falar nos demais.
Eu me lembro que uns dez dias depois do final da Copa de 58,em que o Brasil obteve o seu primeiro título mundial, nós já assistíamos aqui no Maracanã jogando com toda seriedade e empenho, craques como Vavá, Orlando, Belini, Didi, Garrincha, Nilton Santos, Dida, Joel, Moacyr, e aí em São Paulo acontecia a mesma coisa. Enfrentavam times considerados pequenos, pelos campeonatos carioca e paulista. Nada de poupá-los.
Grande abraço, Valter.

PS - Por falar nisso, Vasco e Palmeiras, hoje, podem se dar as mãos, ein? Que coisa desagradável. É a fase. Isso passa. Espero. Acho. Torço.

sexta-feira, abril 13, 2007  
Blogger Lord Broken Pottery said...

Adelino,
Esse Orlando foi o que jogou no Santos?
Abração

sexta-feira, abril 13, 2007  
Blogger valter ferraz said...

Adelino, pensei em tí outro dia vendo teu Vasco se arrastando. Os torcedores não merecem isso.
Já não tenho a mesma esperança que vc. Para mim eles conseguem sempre nos decepcionar.
Abraço

sexta-feira, abril 13, 2007  
Anonymous Adelino said...

Lord, foi o mesmo Orlando que jogou no Santos. Bellini jogou no São Paulo, mais tarde. Vavá, salvo engano, jogou no Valência, da Espanha, e encerrou logo a sua carreira profissional. Morreu pobre.
O que mais me impressiona, Lord, é que esses verdadeiros craques não tiveram uma vida de facilidades mesmo depois do sucesso na Copa de 1958.
Os tempos eram outros. Um pênalti perdido era comentado durante toda a semana. Não existia a mídia para fazer a cabeça de ninguém. Não se elegia e nem se impunha melhor isso melhor aquilo, o mais isso, o mais aquilo. Hoje o "menino" dá um pontapé na bola, e já é craque.
Um abraço

sexta-feira, abril 13, 2007  
Anonymous Adelino said...

Mas vai melhorar sim, Valter. Isto são fases, pode crer. Veja o caso do Fluminense, tem um excelente time, e não está bem.
Um abraço

sexta-feira, abril 13, 2007  
Blogger Lord Broken Pottery said...

Adelino,
Que tal esse time:
Gilmar; Djalma Santos; Bellini; Orlando; Nílton Santos; Zito; Didi; Garrincha; Vavá; Pelé e Zagallo?
Dava pro gaso, não é mesmo?
Abração

sexta-feira, abril 13, 2007  
Anonymous Adelino said...

Lord, foi bom você falar nesse time, porque tem-se cometido um erro histórico esportivo: falam que o Botafogo tinha 4 jogadores. Não é verdade: três do Santos: Gilmar, Zito e Pelé. Três do Vasco da Gama: Bellini, Orlando e Vavá. Três do Botafogo: Nilton Santos, Didi e Garrincha. E Zagalo? Zagalo foi convocado como jogador do Flamengo, e estava em trânsito quando jogava na seleção brasileira. Acabada a Copa, aí sim, foi para o Botafogo. O detalhe é insignificante, mas a verdade deve prevalecer.
Abração

sexta-feira, abril 13, 2007  
Blogger Lord Broken Pottery said...

Adelino,
Você esqueceu o Djalma Santos. Você lembra se na época ele era da Portuguêsa ou se já jogava no Palmeiras?
Abraço

sexta-feira, abril 13, 2007  
Anonymous Adelino said...

É verdade, Lord Broken Pottery, eu me esqueci do Djalma Santos, que está aí vivinho, cheio de saúde, graças a Deus. Ele era da Portuguesa de Desportos. Um dos poucos, senão o único jogador brasileiro a saber explorar um arremesso lateral.
Não é ser saudosista, mas hoje em dia lateral a favor é castigo. Batem até para fora do campo. Pensam que existe impedimento, não se desmarcam para receber a bola, uma lástima.
Então, completando a relação titular mesmo:
3 do Botafogo
3 do Santos
3 do Vasco da Gama
1 da Portuguesa
1 sem time

Valeu, Lord.
Um abraço

sexta-feira, abril 13, 2007  

Postar um comentário

<< Home