23 março 2007

UBERABA

----------------------------------------------------------------------------------
É claro que você já ouviu falar de uma região muito rica que fica a Oeste do Estado de Minas Gerais, e que pelo seu formato geográfico sempre foi conhecida como Triângulo Mineiro.

O Triângulo tem uma história curiosa envolvendo inclusive Dona Beja, de São Domingos do Araxá. De 1720 a 1748 o Triângulo Mineiro pertenceu à Capitania de São Paulo; de 1748 a 1816, à Capitania de Goiás; e de 1816 até os dias atuais, ao Estado de Minas Gerais. Já foi, portanto, de três estados diferentes: Goiás, São Paulo e Minas Gerais. O Triângulo sempre tentou se separar de Minas, segundo diziam, devido ao pouco caso que o governo mineiro dispensava àquela região. E por pouco a Constituição de 1988 não concretizou essa separação criando o Estado do Triângulo Mineiro. Até um mapa novo de Minas Gerais já tinha sido idealizado. A capital seria Araxá, amenizando o clima de rivalidade entre Uberaba e Uberlândia, comparado pela revista Time, em 1968, ao mesmo existente entre as cidades de Dallas e Fort Worth, no Texas, USA.

Radicado no Rio de Janeiro há pouco mais de 50 anos, tive uma maravilhosa esposa carioca da gema, e tenho três filhos aqui nascidos. Tenho muito orgulho de ter nascido lá em Uberaba, no Triângulo Mineiro, mas amo o Rio de Janeiro tanto quanto a minha querida cidade natal. Lá passei alguns dos melhores períodos de minha infância.

----------------------------------------------------------------------------------
( Imagem internet )
----------------------------------------------------------------------------------

12 Comments:

Blogger valter ferraz said...

Adelino, carioca de Uberaba então?

sexta-feira, março 23, 2007  
Blogger Adelino P. Silva said...

Exatamente, VALTER. Carioca de Uberaba. Fiquei tão radicado aqui e há tanto tempo que sinto um imenso amor pelo Rio de Janeiro. Mas tenho saudades da minha "home town" onde passei momentos muito felizes. Uberaba hoje é uma metrópole com todos os benefícios e malefícios que o progresso lhe impôs. De vez em quando vou postar alguns casos interessantes que me aconteceram por lá na minha infância. Pelo menos ficarão registrados.
Valter, um grande abraço.

PS - Por favor, diga à Anna que estou acompanhando com ansiedade o desenrolar daquela história que ela está contando muito bem. Família de literatos, hein?

sexta-feira, março 23, 2007  
Blogger O Meu Jeito de Ser said...

Adelino, gosto disso, temos muito em comum.
Nascí no interior de S Paulo, amo a minha cidade, mas hoje vejo que não há mais lugar prá mim lá. Passou.
Já gostei de viver na Capital, sem nenhuma paixão.
Hoje estou muito feliz onde estou, parece que descobri o meu lugar.
Mas você tem razão, os lugares guardam sua histórias, umas alegres, outras nem tanto. Há lugares que temos carinho, voltamos e as lembranças são boas. Outros que se pudéssemos jamais colocaríamos nossos pés, afinal uma lembrança triste traz sofrimento. E, quem em sã consciência quer sofre?
Esperamos mais histórias.
A minha continua, só vou postar no domingo à noite.
Um abraço

sexta-feira, março 23, 2007  
Blogger Denise Sollami said...

este é o Rio de Janeiro! dos cariocas, mineiros, paulistas, baianos, capixabas...

sexta-feira, março 23, 2007  
Blogger Adelino P. Silva said...

Anna, apesar do Triângulo ter tentado se separar de Minas Gerais, tenho muito orgulho de ser mineiro também. A influência do Estado de São Paulo naquela região é grande. Lembro-me de que quando criança, eu tinha a mania de ficar lendo rótulos e embalagens de produtos. Tudo vinha de São Paulo, principalmente das IRFM (Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo): vassouras, doce disso e daquilo, maracarrão Petybon, farinha etc. Se não vinha de SP era certo a marca "MADE IN USA".
Abraços, e estamos aguardando o próximo capítulo da sua história...

sexta-feira, março 23, 2007  
Blogger Adelino P. Silva said...

Não resta dúvida, Denise Sollami, o Rio de Janeiro acolhe com hospitalidade "cariocas" de todos os cantos do país.
Beijos

sexta-feira, março 23, 2007  
Anonymous Helô said...

Minas são muitas, meu caro Adelino e a gente sempre se orgulha da nossa terra. Mas você bem sabe da minha paixão pelo Rio, mesmo não morando aí. Vou pra São Paulo amanhã cedo e retorno segunda. Te escrevo na volta.
Beijos.

sexta-feira, março 23, 2007  
Anonymous Adelino said...

Helô, claro que sei do seu carinho para com o Rio. E a gente passa a gostar tanto que não admite que estranhos falem mal da cidade (nós podemos falar, mas não gostamos que outros falem). É É que nem paixão por nossos times de futebol. E filhos.

Engraçado, Helô, porque um dos separatistas mais combativos, atuantes e inteligentes, que chegou inclusive a Senador da Repúbica, conhecido, foi meu colega de sala na quarta-série ginasial do C. Diocesano. Uma vez vi uma declaração dele na revista Manchete (1968) em que dizia: "Meu avô era separatista, meu pai era, eu sou, meus filhos e meus netos serão."
Boa viagem. O macete em Congonhas é pegar o primeiro vôo de manhã. O "efeito dominó" vem depois com o decorrer do dia.
Beijos

sábado, março 24, 2007  
Blogger sonia a. mascaro said...

Adelino, eu já ouvi falar muito de Uberaba, mas não tinha idéia da sua história. De Minas não conheço nada... apenas São Lourenço, onde passei muitas férias, aproveitando o maravilhoso Parque e Poços de Caldas. Gosto muito de ouvir o sotaque mineiro!
Bjs.

quarta-feira, outubro 22, 2008  
Anonymous Elma Carneiro said...

Adelino
Gostei e muito de ler sobre Uberaba, e me lembro da época em que se discutia o desmenbramento do Triãncgulo Mineiro do Estado de Minas.
È uma região muito importante pelo seu desempenho econômico em relação ao restante do estado.
Conheço Uberaba, é uma linda cidade, e como você sabe o goiano é um mineiro importado de Minas, uai.
Obrigada por mandar-me o link da postagem. Adorei!
Bj

sexta-feira, outubro 24, 2008  
Anonymous Adelino said...

Sonia, Uberaba é uma cidade montanhosa, mas nem tanto. Lá, chamam os bairros de alto. Alto do Fabrício, Alto de Santa Terezinha e assim por diante. Hoje, se não me engano, já não se usa muito estes termos. Ouço pelo PC, de vez em quando, a estação de rádio local, Sete Colinas. No meu tempo tinha PRE-5 - Rádio Sociedade Triângulo Mineiro de Uberaba, a pioneira no Brasil Central, época em que o rádio engatinhava. Uberaba tinha uma rivalidade muito grande com Uberlândia, uma cidade mais ao norte do Triângulo. Uberlândia era conhecida como Uberabinha (até nos mapas), mas hoje, rivalidades à parte é uma grande cidade bastante industrializada.
Um abraço. Obrigado pela atenção e pelo interesse demonstrado.

quarta-feira, novembro 05, 2008  
Anonymous Adelino said...

Pois então, Elma, foi lá que eu nasci e passei boa parte de minha infância e um pouquinho da adolescência. Estudei no Colégio Diocesano, dos Irmãos Maristas. Tive inúmeros colegas goianos, matogrossenses, paulistas ali de perto da fronteira com São Paulo (Ituverava, Igarapava, Franca e outras). Mas tudo mudou muito. Acho que não tenho muito a ver mais com a minha querida cidade. Os tempos são outros. Os problemas assemelham-se aos de uma cidade grande.
O movimento separatista é antigo. Teve até jornal de nome que sugeria e pregava a separação. A justificativa era a de que a região era autônoma em tudo, contribuía com grande volume de impostos para o Estado e poucos benefícios recebia do governo instalado em BH.
Um abraço, Elma, e obrigado pela atenção.

quarta-feira, novembro 05, 2008  

Postar um comentário

<< Home