24 outubro 2008

ELEIÇÕES 2008

--------------------------------------------------------------------
Em 1945, terminada a II Guerra Mundial, Vargas foi deposto após quinze anos no poder. A tão prometida eleição foi realizada no dia 2 de dezembro daquele ano. Um clima festivo, descontraído, tomou conta do país. Nós, crianças, até brincávamos de eleições, com direito a “cédulas”, “urna” de caixa de sapato, contagem de “votos”. Recordemos um pouco de como era uma eleição em 1946:
CÉDULA - A cédula continha nome do candidato, cargo para o qual concorria e a sigla do partido; por exemplo: UDN (União Democrática Nacional), PSD (Partido Social Democrático), PTB (Partido Trabalhista Brasileiro)... Uma cédula para cada cargo e candidato, impressa em papel branco retangular de aproximadamente 5x8cm. Voto não vinculado.
VOTAÇÃO - Para exercer o “sagrado direito” do voto, o eleitor colocava as cédulas dos candidatos escolhidos dentro de um envelope branco que lhe era fornecido pelo mesário no instante da votação. O eleitor fechava o envelope, colava e o depositava numa urna de madeira. Tudo muito secreto...
DESCUIDADOS - Era grande a possibilidade de fraude. Eleitores distraídos ou ingênuos corriam o risco de ter suas cédulas trocadas ou anuladas na própria fila de votação. Moças – às vezes até por mera brincadeira – trocavam as cédulas de jovens eleitores que por elas encantados distraiam-se. E seus votos iam para o lado contrário... Outro recurso das meninas era o de “beijar” as cédulas marcando-as com batom vermelho ou perfurando os “votos” com grampos de cabelo...
O “ESCRUTÍNIO” - Demorava semanas. As cédulas já apuradas eram enfiadas numa haste metálica do tipo das usadas nos antigos escritórios (uma espécie de prego para segurar papéis) Então, no caso de uma cédula aparecer perfurada na mesa da apuração, de nada valeria, pois presumivelmente já teria sido "contada".
INDIGNAÇÃO - Um primo de minha mãe, contavam, muito politizado (mas não político), honesto, quase foi detido na cidade vizinha em que morava. Percebendo fraude na eleição, revoltado, não deixou por menos: pegou a urna e jogou-a para o alto. A “caixa” se partiu e, ainda segundo a "lenda", "votos" voaram pela cidade para a alegria da “petizada”. Felizmente os tempos eram outros.
MÁQUINAS DE VOTAÇÃO – A tecnologia avançada chegou às eleições. Hoje é mais simples, seguro. A rapidez da contagem e divulgação dos resultados desestimulam qualquer tentativa de modificar alguma coisa. As pesquisas que antecedem as eleições, principalmente a de "boca de urna" - no meu entender - contribuem em muito para essa segurança. Pouquíssimos resultados são contestados hoje em dia.
2008/SEGUNDO TURNO - Depois de amanhã, domingo, é dia de eleições. Desejamos uma feliz e tranquila votação para os que tiveram o privilégio de um segundo turno. Nem sempre o candidato que vence consegue fazer o melhor. Mas torçamos para que os novos prefeitos sejam felizes, pois assim a vitória pertencerá a todos indistintamente. Em 1946 era comum dizer-se, quase como um cumprimento: "Vote bem". Então, que votem bem...
--------------------------------------------------------------------
Imagem:Google
--------------------------------------------------------------------

57 Comments:

Blogger valter ferraz said...

Adelino,
e então, Gabeira?
(desculpa aí, tio o voto é secreto, né?)
Abraço forte

sexta-feira, outubro 24, 2008  
Blogger Cristiane said...

Caro amigo,

Sempre bom vir aqui viu? Só não o faço com mais frequência, por falta de tempo mesmo,nessa reta final do ano, tudo fica bem mais corrido, os dias passam céleres,os meses escoam pelos dedos e estamos na reta final de mais um ano, que para mim, termina com mudanças " literalmente' falando, rs

Coincidentemente Adelino, estou estudando essa época da História do nosso país, em " História do Brasil Contemporâneo", aliás estou em provas e faço a prova dessa disciplina quinta feira próxima.

Acho esse período da história do Brasil conturbado, repelto de revoltas e injustiças e essa do seu post cabe dentro desse baú, não é mesmo?

Achei muito lindo o seu post anterior, sobre os sonhos...

Um fim de semana iluminado para você caro amigo, um beijo carinhoso, Cris

sexta-feira, outubro 24, 2008  
Blogger Maria Augusta said...

Adelino, sabe que aqui na França até hoje tem um papel para cada candidato, o eleitor escolhe seu candidato e coloca na urna...
Atualmente acho que o Brasil tem um dos sistemas mais evoluídos do mundo para a realização das eleições e contagem dos votos. Esperemos (e rezemos) que os candidatos estejam à altura!
Boa eleição para vocês, daqui no consulado brasileiro só podemos votar para presidente Um abraço.

sábado, outubro 25, 2008  
Blogger Aninha Pontes said...

Adelino, o seu post é uma história, e mais uma história bem contada, b em elaborada.
Perfeitas suas explicações.
Mudamos muito né?
Pena que a idoneidade dos candidatos também tenham mudado. Para pior.
De qualquer forma, vote bem.
Vocês terão um segundo turno, nós aqui em Mongaguá, já nos livramos dessa chatice em que se tornou uma eleição.
Hoje já não cumprimos o sagrado dever do voto, mas sim, o fazemos com raiva, por falta de opção e pela obrigatoriedade.
Um beijo e bom domingo.

sábado, outubro 25, 2008  
Blogger Francine Esqueda said...

Vamos ver o que nos espera....
Obrigada pela leitura!
Beijos e bom domingo!

domingo, outubro 26, 2008  
Blogger Aninha Pontes said...

Adelino querido, está feito o post dos sonhos.
Espero ter conseguido cumprir a missão.
Um beijo e bom domingo a todos aí

domingo, outubro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Não. Valter, o voto é secreto...
Um grande abraço. Feliz semana.

domingo, outubro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Gostei de seu comentário, Cristiane. Não sabemos quando este país vai sossegar e decolar de vez. Ouço as mesmas promessas desde criança. Discute-se muito ideologias, tendências, conceitos e preconceitos, mas nada de concreto, de palpável, que é aquilo que realmente interessa: o bem estar da população responsável que paga seus impostos em dia.
Obrigado pelo elogio ao post.
Um beijo também. Uma semana feliz.

domingo, outubro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Maria Augusta, parece que pelo menos nisto evoluimos. Nos USA, segundo sei, tem regiões onde ainda se vota com uma papeleta no qual o eleitor escreve (a lápis) o nome do candidato em que vota...
Um abraço para você, e feliz semana.

domingo, outubro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ana, felizmente aqui o nível da campanha e dos debates foi bom. Eu acredito que cada um deles tenha o mesmo objetivo que é o bem da cidade, cada qual ao seu modo.
Eu gosto de eleições, apesar de tudo. Há muitos anos como eleitor só deixei de votar uma vez, por ausência justificada. E o meu candidato, derrotado não precisou do meu voto...
Um beijo. Uma ótima semana para vocês.

domingo, outubro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Esperemos, pois, Francine.
Depois das 17 horas, saberemos o que as urnas nos reservaram...
Beijos. Bom domingo, ótima semana.

domingo, outubro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ana, depois de "cumprir o sagrado dever do voto" vou lá no "Meu Jeito" ler com bastante calma...
Beijo. Obrigado. Bom domingo.

domingo, outubro 26, 2008  
Blogger Georgia said...

Eu acho o fim que vive fora do Brasil como eu emuitos de nós ter que votar.

Bom dia Adelino!!!

segunda-feira, outubro 27, 2008  
Anonymous DO said...

Como sempre,muito interessante o post,ADELINO.
Boa semana!

segunda-feira, outubro 27, 2008  
Anonymous Adelino said...

Georgia, é mesmo um absurdo. Mais um dos muitos, não é?
Feliz semana. Um abraço.

segunda-feira, outubro 27, 2008  
Anonymous Adelino said...

Do, muito grato. Fiz o posto porque me lembrei da lentidão do processo eleitoral de outros tempos e da rapidez incrível com que ficamos sabendo dos resultados apenas duas horas depois nos "tempos modernos".
Um abraço. Ótima semana.

segunda-feira, outubro 27, 2008  
Blogger Gená F. said...

Bons tempos, hein!
Será que havia tamanha corrupção ou era tudo escondido, a imprensa se calava, né!
Beijos!

segunda-feira, outubro 27, 2008  
Anonymous Adelino said...

Devia haver sim, Eugênia. Tinha resultados que ficavam sub-judice por anos a fio.
E por falar em eleições, confesso que fiquei orgulhoso da forma como elas transcorreram, a rapidez com que os resultados foram sendo divulgados, e a lisura de tudo.

Lamentável, contudo, foi assistir a alguns analistas de resultados dizendo equívocos, pra não dizer bobagens. E também o que publicaram alguns jornais hoje, depois da ressaca de ontem. Um dos comentaristas disse que se não houvesse abstenção tão grande o resultado seria o contrário. Como? Ou os que se abstiveram, se não o tivessem feito, votariam somente num candidato? Claro que não. Votariam na mesmo proporção da apresentada pelo resultado dos votos válidos, considerados os pesos das cinco regiões: Subúrbio, Centro, Norte, Oeste e Sul.
Um beijo. Feliz semana.

segunda-feira, outubro 27, 2008  
Blogger Elma Carneiro said...

Lembro bem da UDN (União Democrática Nacional), PSD (Partido Social Democrático.
Acho que em relação a política, pouca coisa muda nos conceitos dos candidatos.
Quanto a moderna tecnologia para a votação, o Brasil esta dando de 10 em muitos países desenvolvidos. Ainda não entendi isso.
Por aqui não teve o segundo turno, o candidato à reeleição para a prefeitura já estava levando vantagens logo na primeira hora, o que era previsto.
Ainda bem!
Bjs

terça-feira, outubro 28, 2008  
Blogger Saia Curta said...

olá Adelino , vc me fez lembrar minha infância ,onde fazíamos nossas eleições com direito a cédulas e tudo.Porém na cicade onde moro(Cabo Frio) , a urna é eletrônica e não tem segundo turno. o candidato que ganhou para variar está com processos e depende do julgamento e a cadidatura pode ser impulguinada.
isso é Brasil. Eles nem deveriam concorrer...
Deixa isso pra lá...
Boa semana..
beijinhossssss
n@n@

terça-feira, outubro 28, 2008  
Blogger Vivien Morgato : said...

eu adorei o primo da sua mãe....rs
beijos.

quarta-feira, outubro 29, 2008  
Anonymous Bete said...

Ola Adelino.
Somente pra deixar um abraço e dizer que minha curiosidade foi despertada:
"Meme é um termo cunhado pelo cientista Richard Dawkins em 1976 para explicar a propagação e evolução de idéias ao longo do tempo. Na blogosfera o meme significa criar um post com uma idéia e fazer com que outras pessoas escrevam sobre esse mesmo assunto dando seu ponto de vista"
Achei muito interessante.
Abraços.

quarta-feira, outubro 29, 2008  
Anonymous Adelino said...

Adriana, por aqui dizem os intelectuais e analistas de plantão (e como tinham) que o Rio de Janeiro foi o grande derrotado com o resultados das eleições locais. Penso diferente. Se estamos numa democracia o grande vencedor foi o povo mesmo. Os grandes derrotados foram os reis da mídia que se julgavam ainda capazes de eleger candidatos de sua preferência. Esta foi a grande diferença dos pleitos anteriores.
Gostei de saber que também brincavam de eleições...
Beijos. Feliz quinta-feira.

quarta-feira, outubro 29, 2008  
Anonymous Adelino said...

Vivien, realmente, jogar uma urna "mal contada" no meio da rua foi uma proeza...
Curiosamente, sabe com idade morreu este primo de minha mãe? Cento e quatro anos bem vividos, acredite se quiser... Quer dizer que nem as fortes emoções o deixavam abalado...
Beijos. Feliz quinta-feira.

quarta-feira, outubro 29, 2008  
Anonymous Adelino said...

Elma, as posições políticas e sociais eram bem definidas: UDN, segundo os não-udenistas, era o "Partido dos ricos, dos patrões", da direita; PTB, o "partido dos pobres", dos trabalhadores; PCB (Era PCB mesmo, radical); PSD era o partido do "centro" ou seja, nem uma coisa e nem outra...

Sempre fui favorável ao segundo turno nas eleiçoes. Era comum antes deste sistema, candidatos se elegerem com 20 por cento do eleitorado. Quer dizer, uma aprovação pequena e uma rejeição grande.

quarta-feira, outubro 29, 2008  
Anonymous Adelino said...

Bete, gostei da sua explicação.
Faz sentido, matou a nossa curiosidade. Obrigado.
Beijos. Feliz quinta-feira.

quarta-feira, outubro 29, 2008  
Blogger Betinha said...

Passando para lhe desejar um final de semana lindo.
Abraço meu amigo.

quarta-feira, outubro 29, 2008  
Blogger Lia Drumond said...

Foi triste, preferi nem votar e pagar a multa aqui em sampa... Só o primeiro turno expressou minha vontade, mas não quis participar do duelo feio Marta X Kassab...

quinta-feira, outubro 30, 2008  
Blogger Elma Carneiro said...

Bom dia Adelino
Quando puder vem até aqui, quero lhe mostrar algo precioso.
Bom final de semana.
Bjs

sexta-feira, outubro 31, 2008  
Blogger Lord Broken Pottery said...

Adelino,
O mais incrível é que em muitos lugares mais adiantados do que aqui, o voto ainda está bem próximo do que você descreveu.
Grande abraço

sexta-feira, outubro 31, 2008  
Blogger Eduardo P.L said...

Adelino,

bom este seu post. Oportuno. Eu, ao contrário, conto para quem voto! Em São Paulo Kassab, e se votasse no Rio GABEIRA! Uma pena ter perdido. Mas hoje é o maior dono de votos idividualmente no Rio de Janeiro. Em 2010 será Governador, ou na pior das hipóteses: SENADOR!
E se votasse nos USA, votaria no OBAMA! Desculpe te escandalizar! Mas artista é assim mesmo!

sexta-feira, outubro 31, 2008  
Blogger Fernando said...

Pois é, Adelino,
e nós, como contínuos participantes do processo, já estávamos tomando conhecimento do assunto (nesse ano, eu já tinha 11 anos,rsrsrsrsr)
Já vimos muita coisa, amigão!
abração dominical
fernando cals

sábado, novembro 01, 2008  
Anonymous Lys said...

Sabe que sempre que perco uma eleição, por estar aqui fora, fico triste ? Eu adoro votar ! Mas confesso que já peguei as coisas um pouco mais "muderninhas".

Agora... falando em complicar, complicado mesmo é a apuração de votos nos Estados Unidos. Tá aí algo que nunca entendi direito :)

Um abraço,
Lys

sábado, novembro 01, 2008  
Blogger Só- Poesias e outros itens said...

Gosto de ler essa memórias por você tão bem recuperadas.

bjs.

JU Gioli

domingo, novembro 02, 2008  
Blogger Jeanne said...

Por aqui foi tudo tranquilo, sem confusões, aconteceu o previsto...
estou visitando os amigos que andam meio sumidos, sei que por falta de tempo mesmo.
Beijos

domingo, novembro 02, 2008  
Blogger Luci Lacey said...

Adelino

O voto nao deveria ser obrigatoria, ai sim os candidatos, iriam tem que cumprir mais e serem menos ordinarios.

Beijinhos e boa semana.

domingo, novembro 02, 2008  
Blogger Georgia said...

Adelino, Bom dia!!!

Passando para um abraco e para dizer que estou preocupada com você. Está sumido.

Espero que esteja tudo bem.

Boa semana

segunda-feira, novembro 03, 2008  
Blogger Celia Rodrigues said...

Por aqui a votação foi tranqüila, já feliz... sei não.
Ótima semana!

segunda-feira, novembro 03, 2008  
Blogger valter ferraz said...

Adelino,
esperando o Obama se eleger para voltar ao blog?
Desiste, rapaz! os americano são conservadores. Na hora H, votam em branco. Literalmente.
Forte abraço

segunda-feira, novembro 03, 2008  
Blogger Elma Carneiro said...

Olá Adelino
Estou sentindo muito a sua falta, não nos deixe sem suas postagens e sem notícias.
Saudades meu amigo.
Volte logo.
Bjs

segunda-feira, novembro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Elizabeth, uma semana muito linda para você também.
Abraços. Muito obrigado.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Lia, votar é uma das poucas oportunidades de que temos de fazer alguma coisa, ainda que mínima. Muitas vezes não se vota num candidato, mas contra ele. Pelo que li e ouvi, infelizmente (ou felizmente) não vi, parece que o nível dos debates aí em São Paulo caiu um pouco, por parte uma certa candidata. Perde-se mesmo a motivação para o voto.
Abraços.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Elma, estive ausente por motivo de viagem, mas vou lá ver o que de precioso tem a mostrar. Aliás, tudo ali é precioso. Obrigado, e boa quarta-feira para você.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

É incompreensível, Lord. Saber que a reeleição de Bush teria sido possível graças a uma tremenda confusão na contagem de votos da Flórida, parece coisa de Gibi. Além do que, as eleições de lá têm regras extremamente estranhas, meio sem lógica. Parece que assim feitas propositalmente. Felizmente aqui temos o processo mais moderno do mundo.
Um grande abraço. Desculpe-me pela demora no comentário, mas já expliquei que estive ausente da cidade por uns dias.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Eduardo, também acho o Gabeira formidável. Excêntrico, idealista, romântico, moderno agora em suas idéias, sem aquela de “os fins justificam os meios” etc.
O carioca era conhecido como o mais politizado eleitor brasileiro, mas acho que já se cansou de ficar votando em idealistas políticos que nem aqui vivem (não é o caso do Fernando). O Rio era um caldeirão de experiências. E de que adiantou isso? De nada. Veja que muito intelectual que torceu pela vitoria de Gabeira era de fora. Escritores/cronistas/jornalistas, usando inclusive colunas dos veículos em que trabalhavam (e ainda disseram que nada gastaram na campanha). Claro, campanha de graça, mas muito forte. Aqui precisa de gente pra pegar no pesado. Arregaçar as mangas e “mandar ver”. Muitos escreveram que a derrota do PV foi uma derrota do Rio. Não acho. Gabeira teve o apoio da maior rede de comunicações do país, que já elegeu e derrubou presidentes. Desta vez não conseguiu. Por isso, o significado da grande vitória do Paes, sua enorme capacidade administrativa pouco conhecida das pessoas de outras cidades. Ele tem um passado recente que o recomenda muito bem. Claro, que com apenas 39 anos de idade não leva a vantagem de ter sido “perseguido", de ter "contestado" desfilando na praia de bikini de crochet etc.
Eu admiro o Gabeira de hoje, e espero mesmo que ele seja eleito Senador. Será muito maior, e fará muito mais pelo país que tanto estima.
Um enorme abraço pra você.
Feliz semana, Eduardo.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Fernando, não me canso de repetir que é uma honra receber os seus comentários. É verdade, Fernando. Costumo dizer que somos de uma geração privilegiada. E nem vou citar mais os porquês.
Um abração do amigo

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Lys, sorte sua que pegou as coisas mais “muderninhas”. Votar ficando em filas homéricas não era nada bom.
E eu já tive a “subida honra” de particicipar até de contagem de votos. A contagem era feita nas próprias mesas logo que encerrada a votação. Isto foi em 1970, outubro, se não me engano. Saímos de lá às ½ noite.
As eleições americanos são simples, para não dizer ridículas. Que critério mais estranho. E nem ao menos são informatizadas como as nossas.
Um abraço. Feliz quarta-feira.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ótimo, Ju Gioli. São vivências pessoais. Testemunhamos “ocularmente”...
Obrigado por gostar. Beijos.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Jeanne, reconheço que andei sumido, mas como disse, viajei por uns dias. Retornei hoje de manhã e cá estou tentando colocar as coisas em dia...
Beijos. Feliz quarta-feira.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Luci, pra ganhar eleição tem de prometer. Se não prometer não ganha. Ganhando, não cumpre porque eram “promessas de campanha”. Entendeu?
Beijos e ótima quarta-feira.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Georgia, obrigado pela preocupação, mas visitei uma irmã em outra cidade afastada, e valeu a pena, pois, apesar da falta que senti de vocês, foram dias muito agradáveis ao rever antigas e queridas amizades dos tempos de adolescente.
Uma ótima semana para você também.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Célia, eleições mudam pouca coisa. O bom seria que os novos eleitos dessem continuidade ao trabalho dos anteriores. Até mesmo usando métodos diferentes.
Ótima semana. Feliz quarta-feira.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Valter, mais uma vez estive aí pertinho de vocês por uns dias, mas o tempo não cooperou.
Até acho o Obama boa pessoa, mas o McCain tem uma história de vida mais consistente, menos “almofadinha”. Talvez a figura pessoal dele não o ajude muito. E americano, sabe como é, o cara tem de ser bonitão, exceção feita ao Bushinho.,
Não acredito que na hora H votem em branco. Na minha opinião, a não ser que ocorra uma daquelas loucuras que são as eleições americanas, o Obama ganha.
Grande abraço.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Elma, obrigado pelo seu interesse. Tudo bem. Se ler os comentários verá que o motivo da ausência foi mais do justo e salutar. Mas é bom saber que sentem a nossa falta.
Muito obrigado.
Beijos. Feliz quarta-feira.

terça-feira, novembro 04, 2008  
Blogger Ítalo de Paula Pinto said...

Adorei os detalhes da votação no passado! Coisa que não se acha com freqüência por aí! Parabéns, amigo!

abraços.

quarta-feira, novembro 05, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ítalo, era a pura realidade...
Só relatei aquilo de que tinha certeza, pois vivenciei aqueles processos todos. Deve ter ainda muitos detalhes a desconhecidos, pois eu morava na cidade. Imagine no interiorzão mesmo...
Um abraço. Feliz final de semana.

sexta-feira, novembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ítalo, corrigindo: "...detalhes para mim desconhecidos..."
Abs

sexta-feira, novembro 07, 2008  

Postar um comentário

<< Home