01 outubro 2008

ECOLOGICAL DAY - 2 de outubro / 2008

--------------------------------------------------------------------
Um dos irmãos de minha mãe morava numa pequena fazenda a 72 km de distância. Chegar até lá era uma das etapas mais fascinantes do passeio, uma aventura bem ao nosso gosto de crianças da cidade... Embrenhava-se pelo cerrado triangulino em “jardineiras” e charretes. E muitas vezes à cavalo, em meio à fina poeira de cor vermelha, bem característica daquela região. Transpunham-se “mata-burros”, abriam-se porteiras, enchiam-se pneus esvaziados pelos duros espinhos das plantas à margem do caminho. Assustavam seriemas, tatus, pacas, porcos-do-mato, nhambus...

O nosso querido tio Emílio tinha uma personalidade curiosa: trabalhador, sério, pouco sorriso, porém de uma bondade comovente. Por causa de sua prole numerosa (seis meninas e três meninos) costumávamos brincar dizendo que tio Emílio tinha “povoado a região”...
Minha mãe dizia dele:
- Este meu irmão é muito “sistemático”...

Em hipótese alguma tio Emílio permitia a caça de passarinhos e outros animais dentro de sua propriedade. Manter animais em cativeiro, jamais. Gaiolas, alçapões, estilingues, espingardas de chumbinho, nem pensar. “Poluir” um riacho que com as suas águas límpidas movimentavam o antigo monjolo era algo impensável, impraticável. Uma heresia. Aliás era este um dos primeiros itens do "regulamento" que impunha ao grupo quando lá “aportávamos” por uns três dias com alguns amigos. E nós o obedecíamos, e ainda o admirávamos por essa atitude. E aprendemos muito também. Se fosse hoje certamente ele receberia um prêmio pelo seu “alto espírito ecológico”, mas naquele tempo era palavra que se existia nem era mencionada e muito menos praticada.

Um dia saímos pelas redondezas com um colega mais velho que morava na fazenda ao lado. Ele levava uma espingarda daquelas que se carrega pela boca com pólvora, sal e fragmentos de chumbo. Impossível não errar o alvo... Pois ele, para provar sua “excelente” pontaria, apontou para o alto de uma árvore e abateu um belíssimo exemplar de tucano. Tão colorido como os que víamos em nossos livros escolares. Pegou o pássaro do chão e o exibiu como se fora um troféu que acabava de conquistar. E abandonou ali mesmo a bela ave que abatera com aparente frieza. Mas não se via nele sinais de crueldade, era até pessoa de boa índole, porém ignorante. Uma espécie de humano que não se extinguiu, pelo contrário, se "aperfeiçoou". E que com o passar do tempo vem acabando na maior rapidez possível com as aves que habitam os nossos já sofridos e maltratados campos e florestas.
--------------------------------------------------------------------
--------------------------------------------------------------------

70 Comments:

Blogger Luci Lacey said...

Adelino

Adorava estes passeios desbravodores, quando pequena tambem.

A ignorancia em acao e perigosa.

E preciso ter mais Emilios na vida.

Este tucano parece ser parceiro/parente, daquele que Valter postou dias atras, rsrs

Amei seu post Adelino.

Beijinhos

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Pietro said...

Wonderful picture with great light.
Enjoy the Ecological Day!

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Georgia said...

Ah, Adelino como o mundo de hoje está precisando de "Tio Emílio", assim como o seu.

Ri muito agora lendo o seu comentario lá na Saia sobre os piolhos e de ver sua idéias: Creolina, nao seria nada mal, rs. Conheco, tem cheiro forte de limpeza. Acho que nao existe mais, nao é?

Abracos

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Eduardo P L said...

Adelino,

ser sistemático então é coisa de família?

Parabéns pela postagem e texto interessante, como sempre!

Forte abraço

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Anonymous Beta de Felippe said...

Que alma boa!!!

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Aninha Pontes said...

Adelino, você disse a palavra perfeita.
Pura ignorância.
Quantos passeios desses já fiz também, e quantas aves já vi abatidas sem motivo, sem necessidade.
Era pura ignorãncia.
Hoje já se faz não por ignorância, mas muito mais por ganância.
Belo post.
Um beijo.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger valter ferraz said...

Adelino, agora mudou só o bicho. Tucanos não tem mais graça; são abatidos pelos votos. O barato agora é outro: derruba-se "o bicho", arrasta-se pelas ruas, sai até na televisão.
O seu Tio Emílio safou-se de boa, se mandou daqui.
Abraço forte

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Paz said...

Very nice photo!

Happy Ecological Day!

Paz

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Anonymous DO said...

Tenho muita vontade de morar mesmo num lugar assim,Adelino.
Alias,o seu tio,atualmente,devia ser ministro do meio ambiente. Pois já praticava as boas atitudes.
Grande abraço!

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger sonia a. mascaro said...

Adelino,
Adorei a sua participação! Como sempre você nos traz belas histórias de sua vivência. O seu tio já era um ecologista antes da Ecologia ser importante como hoje.
Linda a foto! Tiramos aqui algumas fotos de tucanos que vem comer as frutinhas de uma palmeira bem em frente à janela dos quartos. Vou postá-las qualquer dia destes.
Obrigada pela sua participação no Ecological Day.
Beijos.

PS: Tivemos um temporal ontem e a conexão está cai e volta. Espero poder comentar nos outros posts.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Yvonne said...

Adelino, seu tio já era um homem de visão, visto que naquela época as pessoas ainda não tinham muita noção do quanto maltratavam a natureza. Lindo post que me fez imaginar o sítio.

Querido, vou viajar hoje e só retornarei ao mundo blogueiro na próxima quinta.
Beijocas carinhosas e até a volta.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Lizete Vicari said...

Adelino, que infância maravilhosa que tivestes!
Muito parecida com a minha, tive um tio igual ao teu, só que com 11 filhos. Não sorria, mas era de uma ternura tocante.
Graças à ele hoje estou produzindo
um vinho com meu filho.
Ele faleceu a uns 10 anos, a uva que estamos utilizando foi plantada por ele.
Grande abraço, somos pessoas privilegiadas! lili

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Isabel said...

Caro Adelino,

Cheguei até aqui via Elizabeth do About New York, e acho que vou fazer uma visita mais premonorizada. Também sou predisposta a nostalgia e gosto de revisitar o passado, o não seja “Saudade” uma palavra bem da nossa língua! Foi um prazer encontrar este seu canto.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Anonymous Mário said...

Pois é, Adelino.

Fui criado na cidade grande, nela eu nasci.

Admiro os que conseguem viver no campo.

Precisamos tanto de consciência ecológica. Aqui é difícil até convencer vizinhos a reciclarem o lixo: têm preguiça.

No final, todos pagaremos esta conta.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Maria Augusta said...

O pior é isto, a destruição que é feita por ignorância, por não ter recebido os valores de respeito à natureza.
E teu tio, que ja possuía o espírito ecológico bem antes que os outros se preocupassem com isto, que belo exemplo para vocês.
Que post magnífico, Adelino, parabéns!
Abraços.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger sonia a. mascaro said...

Oi Adelino,
Ele está aparecendo para mim... por que será que você não está acessando?
Por favor, tente novamente e depois fale comigo, certo?

Hoje como falei para você está um caos a minha conexão... um padecimento, justo hoje, no dia do Ecological Day!

Beijos.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Louise said...

Eu coloquei isso em um tradutor, e sei que perdi um monte dele, mas tenho o ponto principal. Muito tristes com o pássaro, mas você está certo. Muitas vezes as pessoas não são "maus", apenas ignorante. Espero que a melhor maneira de se ensinar-lhes o exemplo.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Lily Hydrangea said...

beautifil!

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger sonia a. mascaro said...

Oi Adelino, você conseguiu acessar a minha página?
Bjs.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Anonymous Bete said...

Seus textos sao surpreendentes.
Agradaveis e educativos.
Quem dera tivessemos pessoas como "tio Emilio", para amenizar os problemas da Floresta AMazonica.
Que este dia seja um marco e um indicativo que precismaos refletir sobre os problemas que o homem causa ao seu habitat.
Parabens pela postagem.
Bjs no coração

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Só- Poesias e outros itens said...

Adelino que linda recordação. Os grandes constrastes da civilização: há humanos que não se extinguiram, verdade, e só se aperfeiçoam e proliferan como dizem os italianos: como funghi venenosos nas montanhas.
bjs.

JU Gioli

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Denise BC said...

Olá Adelino
Um primor de texto, essas histórias com gosto de infância e sabor de saudade são sempre muito saborosas de se ler, parabéns.
Obrigada pela visita agradável.
abraços, Denise

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger RAMOSFOREST.ENVIRONMENT said...

Ainda bem que a partir dos anos 70 surgiu bem definida a conscientização ambiental.
A educação ambiental deve ser continuada.
Parabéns por seu belo texto e lindas recordações.
Luiz Ramos

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Janaina Amado said...

Adelino, esta fazenda por acaso era em Goiás? Minas? Pergunto por causa do "sistemático" de sua mãe.
O tucano da foto é lindo. Já os das urnas... nem todos, he he

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Janaina Amado said...

Puxa, Adelino, só agora eu vi a referência ao meu blog neste seu, muitíssimo obrigada!

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Caliandra do Cerrado said...

Adelino
As sua passagens de infância foram belas e de uma rica vivência.
Essa expressão "sistemático" é usado muito por aqui.
Quanto a sua narrativa do seu colega e de sua “exelente” pontaria, realmente não era um ato de malvadeza, mas puramente de ignorância.
Deu-me pena do tucano, uma das mais lindas aves do nosso Brasil.
Por aqui no interior do centro oeste, os matutos embrenham pelas matas e cerrados armados de suas espingardas matando qualquer animal que aparece em sua frente, num hábito quase primitivo onde falta muito ainda a conscientização.
Saem a caçar o veado campeiro, capivara, anta, paca, codorna e perdizes e até a onça pintada das matas. Acho que tudo isso ainda faz parte da uma herança cultural.
Nas praias dos grandes rios, são as tartarugas e vão também à caça de seus ovos.
Mas... o tio Emílio pertencia aquele grupo de pessoas que já nascem com uma índole e uma capacidade de discernimento raro até nos dias de hoje. Ele era um sábio.

Parabéns pelo seu tema, como sempre razão para muitos comentários.
Obrigada pela visita hoje de manhã. Ouviu o canto do sabiá?
Bjus

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Saia Curta said...

OI, ADELINO, obrigada pela visita.
essa sua é história fantástica, no começo estava até gostando, quanta aventura,porém com a morte do tucano,fiquei chocada.semana passada caiu no meu quintal um bem te vi doente, tive que dar até banana amassada no bico dele,amo demais todos os animais e por sinal minha cadela estava operada,tirou os pontos ontem e passa bem ,tenho 4 periquitos e um cacado. embora naquela época isso era considerado normal, hoje é um crime ambiental.. desculpe não estou te chamando de velho,muito menos seu tio de criminoso.
É que as coisas vão se modificando com o passasr do tempo.
En fim sua história foi fantástica ,muito bem postada. Existe o outro lado da moeda, a grande aventura que perdurou em sua memória para sempre. Isso é bom ,lembrar das aventuras de nossa infância.
Quando lembro da minha infância ,é um momento só meu, altamente prazeroso , eu , a geo e + dois irmãos. isso é tudo! nunca quiz ter um filho só, pois sempre lembro dos meus irmãos ,das brincadeiras de infância, da divisão de tarefas, da briga por lamber a vasilha do bolo, quem não viveu isso, faltou algo para contar.
grande beijo para voce que me fez relembrar tudo isso...
n@n@

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger sonia a. mascaro said...

Oi Adelino, imagine, nem se preocupe! Só agora é que voltei aqui porque fiquei sem Internet praticamente o dia todo. Mesmo agora a conexão voltou mas está caindo toda hora....
Obrigada por sua participação tão especial!
Beijos.

quinta-feira, outubro 02, 2008  
Blogger Cristiane said...

Caro e querido amigo Adelino,

Rcordações...é sempre tão bom tê-las, não é mesmo?
Afinal, já diz o ditado: Recordar é viver!
Uma bela históriameu amigo.

Quando puder, apareça, úm fim de semana iluminado, Cris

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Blogger Lia Drumond said...

Viva o tio Emílio! E a ecologia. Tenho fé de que toda a educação ambiental possa mudar o destino trágico que estamos construindo pro planeta. Bjs

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Luci, quando somos crianças tudo é aventura. Vemos maravilhas onde os adultos não enxergam nada. Crescemos, mas dentro de nós ainda fica aquela criança que fomos um dia.

Luci, IMPORTANTE: existe uma diferença deste "meu tucano" com o do Valter... O dele era empalhado...
Beijos. Feliz fim de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Pietro, the picture is not mine. I choose it at random in Google.
I hope meet you next Ecological Day...
Hugs and thank you very much.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Então, Georgia, aquilo aconteceu mesmo. Nem sei por que naquela ocasião falei aquilo, mas penso que foi porque eu via pessoas usando aquele material em cães e gatos... Só me dei conta do "mico" quando a turma caiu na gargalhada.
Que maldade, não? rs
Abraços. Ótimo final de semana.
Adelino
PS - Georgia, se reparar bem verá que o Tio Emílio é um dos protagonistas daquela história real de "Solidariedade"...
Abs

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Eduardo, "sistemático" era qualidade de quem tinha uma linha de conduta e dela não se afastava. Conduta nem sempre adequada, o que não era o caso do nosso tio...
Você viu que ele era "sistemático" em todos os sentidos, não é Eduardo?
Grande abraço. Como sempre o Ecological Day fez um grande sucesso unindo a turma para uma causa justa.
Feliz final de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Beta de Felippe, é verdade, alma boa.
Abraços.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ana, por isso enfatizei o fato de que ele não era mau caráter, era um ignorante com relação aos animais. Os pássaros também estão em extinção rápida, Ana.
Não adianta se deseperar, deve ser este mesmo o destino da Humanidade.
Beijo, Ana, e feliz final de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Valter, os "tucanos" estariam em extinção, no bom sentido? Dia 5 vamos ficar sabendo...
Grande abraço. Feliz final de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Valter, os "tucanos" estariam em extinção, no bom sentido? Dia 5 vamos ficar sabendo...
Grande abraço. Feliz final de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Paz, as I tell to Pietro I did not shot that photo, however I is really very nice.
Thank you. Hugs.
PS - I hope to meet you again in the next "Sonia´s Ecological Day", November 2...

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

É mesmo, Do, era um homem ecologicamente correto, um "pioneiro". Parece que algumas pessoas já nascem predestinadas a ter certas qualidades.
Um abraço. Feliz final de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Talvez seja a ave mais bonita que existe, Sonia. É um privilégio de poucos poderem flagrar tucanos em seu quintal.

Apesar de tudo, Sonia, pelo que sei os provedores nacionais estão dando conta do recado. Vejo falar de muitos problemas no Exterior, em países ditos de Primeiro Mundo.

Participar do Ecological Day é muito bom. É uma festa... Além de divulgarmos causa tão justa ficamos conhecendo novas pessoas, novos excelentes blogs. Pode contar comigo nos próximos. E a honra de participar é minha.
Beijo. Feliz final de semana pra vocês.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Yvonne, este meu tio era realmente muito especial. A sala da casa dele tinha nas paredes utensílios domésticos feitos por índios caiapós que habitaram a região, sabemos hoje. Ele encontrava essas peças quando do processo de arar a terra para plantação. Trazia para casa e não jogava fora como alguns faziam. Lamento não ter ficado com nenhuma delas...
Até quinta, então, Yvonne. Vote bem!!!
Feliz final de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Lizete, infância privilegiada sim. Hoje fico com pena da meninada brincando com video-games, assistindo a TV, tudo eletrônico. Fazíamos nossos próprios brinquedos, com muita criatividade face à ausência de ferramentas apropriadas, muito caras, tudo MADE IN USA... Bonita a história de seu tio, com a participação de vocês.
Tudo de bom Lizete. Muito obrigado por sua atenção. Espero que tenha gostado deste bloguinho e nos prestigie de vez em quando...
Grande abraço. Feliz final de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Isabel, quando criei o blog - aliás meu filho foi quem fez o lay-out - ele me perguntou o nome. Eu disse que falaria de tudo, coisas atuais, passadas, presentes, sempre mantendo um vínculo com a minha realidade, minha vivência. Ele disse: então conterá "mais ou menos nostalgia". E ficou o nome. Saudade é uma palavra que não existe em muitos idiomas, aliás acho que em nenhum, apenas no português. Não existe o nome, mas o sentimento sim.
Vou lá te fazer uma visita logo termine estes comentários.
Muito obrigado, Isabel, feliz final de semana.

sexta-feira, outubro 03, 2008  
Anonymous Adelino said...

Mário, o ideal seria viver um pouquinho em cada lugar: campo e cidade. A cidade cansa, assim como - por incrível que pareça - a calmaria do campo.
Um grande abraço. Obrigado pelo prestígio.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Maria Augusta, os bons exemplos quando nos dado ainda em criança, marcam bastante nosso comportamento futuro. Sejam por frases ou na prática como estes do nosso tio.
Elogios imerecidos os seus. Eu os vejo como incentivo. Obrigado.
Abraços. Um final de semana feliz para vocês.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Sonia, acho que fiz confusão. A página estava lá sim... E por sinal muito bonita. Aquela que fala dos líquens.
Tudo bem.
Beijos.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Louise, entendi perfeitamente, não se preocupe. Existe muito disso: muitas pessoas não são essencialmente más, apenas não distinguem o que é ser bom e o que é ser mau.
Muito obrigado pela sua visita.
Tenha um ótimo final de semana.
Um abraço.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Lily Hidrangea.
Your post is very nice too. Thanks.
Hugs.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Sonia, como disse, tudo bem. Equivoquei-me...
Bjs

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Bete, recebo com satisfação você dizer que meus textos são surpreendentes, pois não faço isso de propósito.

Será, Bete, que um único "tio Emílio" tomaria conta da Amazonia?
Acho que ocupar e devastar foram processos lentos, que não se fizeram notar a tempo. Não sei se já é tarde. Quem sabe agora, com a população mais conscientizada de que o problema existe de fato?
A sua participação foi brilhante.
Beijos. Ótimo final de semana para você.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

É, Ju Gioli, a espécie humana não se extingue, extingue...
Feliz final de semana.
Bjs

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Obrigado, Denise.
Recebo seu elogio como um incentivo. Gostei muito dos seus blogs. Ótimo final de semana.
Abraços.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Luiz Ramos, essa consciência de que fala - eu acho - já existia em personalidades da nossa vida pública nos anos 40/50/60 só que eram considerados visionários, futuristas e como tal não foram levados a sério.

Quanto ao que disse sobre o texto, é cordialidade sua. Escrever "difícil" não sei. É de improviso mesmo, "de ouvido".
Um abraço, e espero encontrá-lo por aqui ou nos próximos Ecological Day´s da amiga Sonia.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Janaina, era no Triângulo Mineiro, uma região que já pertenceu a SP, MG e GO (uma de cada vez, claro). Isso em 1700/1800 mais ou menos.
Quase que se transforma em Estado na Constituição de 1988. Tinha até mapa, e a capital seria Araxá. Aquela região de cerrado tem uma história muito bonita.

É sim, o "sistemático" é uma palavra muito usada "antigamente", não sei se ainda. Por isso grafei-a entre aspas...

O tucano é bonito sim. O das urnas de vez em quando muda suas plumagens, muda de cor...
Abraços, bom final de semana.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Nada a agradecer, Janaina, está lá porque gostei dele.
Abraços.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

*Elma, feliz de quem tem historinhas boas para contar de suas infâncias, não é? Existiram também as ruins, mas quando crianças normalmente nos poupam delas. Ficávamos sabendo apenas as meias verdades: "Criança não têm de participar de conversa dos mais velhos..."

*Pois é, o "sistemático" ainda existe. Entendo como sendo uma pessoa de personalide firme, decidida.

*Realmente, Elma não era maldade, era mesmo ignorância. Santa ignorância...

*Segundo soube, meu avô caçava muito naquela região. Mas uma caça seletiva. Não pelo prazer de eliminar animais.

*Gostei da expressão "praias dos grandes rios". Em julho/agosto, época das secas os grandes rios formam verdadeiras praias em suas margens. Pelo menos formava...

*Elma, discernimento nessas questões ambientais são qualidades raras atualmente, mas ainda existem muitas.

*Ah, sim. Às vezes eu esqueço que estou usando o headphone e quando entro no Caliandra chego a olhar pela janela pensando que o sabiá canta lá fora... Um bálsamo para "as orelhas"...

Beijos. Feliz final de semana.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Adriana,
*Infelizmente a realidade foi aquela mesmo. O belo exemplar de tucano foi exterminado. Se não fosse real, eu poderia mudar o "roteiro"...

*Uma vez, aos onze anos, vindo da escola, encontrei um filhote de papagaio com a uma asa quebrada. Tratei dele, e fiz até uma espécie de "poleiro", onde ele se exercitava... Quando chegava em casa a primeira coisa que fazia era verificar sua recuperação. Tudo ia bem. Um dia cheguei, fui lá, e o "ingrato" ficando bom, voou pra longe...

*Já tivemos cachorro. Um beagle. Mal educado e "palhaço" como convinha a sua raça. Quando se foi, uma tristeza só. Nunca mais, pois nos afeiçoamos a esses animais cuja amizade é irrestrita e sem cobranças.

*Sem problema algum, Adriana. Orgulho-me de minha idade. Considero-me pertencer a uma geração privilegiada. Vimos e vivemos as grandes transformações políticas, sociais, culturais, morais e "imorais" da sociedade...

*Um provérbio chinês diz que uma imagem (pode-se entender também como um exemplo) vale por mil palavras. Vale mesmo.

*O lado ruim de termos muitos irmãos, Adriana, é que mais tarde vamos crescendo e cada um vai para o seu lado. Os laços não se desfazem, mas ficam um pouco mais tênues. O último a sair, nem sempre tem tempo de apagar as luzes, tal a saudade.

*Obrigado pelo seu comentário, uma crônica muito bonita. Escrever faz bem.
Um beijo. Feliz final de semana.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Sonia, sou eu que agradeço a oportunidade que nos oferece de participar do Ecological Day.
Beijos.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Cristiane, a Sonia, com o Ecological Day, promove um
congraçamento muito agradável a todos nós. E como a mente é fértil não resistimos e contamos essas coisas de infância ou adolescência relacionadas ao tema. // Recordar é (re)viver mesmo. Por isso a gente tenta recordar apenas as coisas boas de nossas vidas.

Claro que apareço.
Um excelente final de semana para você, Cristiane.

sábado, outubro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Eu acredito que sim, Lia, conscientizando as nossas crianças, adolescentes e até adultos, pelo menos poderemos "desacelerar" o processo de degradação do nosso planeta.
Bjs. Feliz final de semana.

sábado, outubro 04, 2008  
Blogger Georgia said...

Adelino, já te respondi lá no blog "O que elas estao lendo".

Abracos ebom domingo

domingo, outubro 05, 2008  
Blogger Georgia said...

Adelino na sua página estou vendo um post sobre Gabrielle Anwar.
Será que te pegue novamente, rs.

Boa semana

segunda-feira, outubro 06, 2008  
Anonymous Adelino said...

Georgia, algo de errado está acontecendo, pois o citado post consta como RASCUNHO na minha listagem do Blogger. Existe a possibilidade de o erro ser meu também. Vou verificar.
Obrigado
Abraços.
PS - Já vi lá "O que elas estão lendo".
Abs

segunda-feira, outubro 06, 2008  
Blogger vivendo said...

Passando para um abraço.Gostei das histórias sobre fazenda, Tio Emilio e consciência ambiental. E tio Emilio tinha sabedoria. Um beijo grande, Vivi e bebê

segunda-feira, outubro 06, 2008  
Blogger vivendo said...

Adelino, só para completar simpatizo muito com o Dinamite...tomara que o Vasco consiga se recuperar...Se não me engano, o Dinamite, era Botafoguense...beijim, Vivi e bebê

segunda-feira, outubro 06, 2008  
Anonymous Gaspar de Jesus said...

Adelino
Vi e publiquei seu comentário no Arte Fotográfica, mas fiquei pensando, quem é este amigo que me visita via ELMA do Caliandra do Cerrado. Agora, por aqui, vejo que se trata de mais um Blogger do meu querido Brasil, desse Brasil que AMO e de onde me chegam tantas e tão afectuosas vistas.
Estou em crer que o CERRADO é um paraíso terreno onde moram os eleitos.
Abraço, e muito obrigado pelas suas simpáticas palavras.
G.J.

quarta-feira, outubro 08, 2008  
Anonymous Adelino said...

Viviane, o Roberto Dinamite não era botafoguense. Ele apenas tentou começar a carreira no Botafogo. Uma curiosidade: Roberto aponta como o seu gol mais bonito um que fez contra o próprio Botafogo quando aplicou um "lençol" no zagueiro alvi-negro e emendou de sem-pulo para dentro da meta alvi-negra... (Você sabe o que é "lençol" e "sem-pulo"? Duvido...)
Um beijo e um bom final de semana pra você (e o bebê)...

sexta-feira, outubro 10, 2008  
Anonymous Adelino said...

Gaspar, o cerrado não chega a ser assim um paraíso terrestre, mas é uma espécie de vegetação fascinante que cobre boa parte do nosso país. Eu nasci naquela parte do Brasil, mas moro há muito tempo na região onde fica a Mata Atlântica, outra maravilha da natureza infelizmente muito maltratada pelo Homem nos últimos tempos.
O mundo blogueiro ou blogsfera (blogosfera) como dizem por aqui faz este "milagre" de reunir pessoas de todas as partes da Terra. Tenho notado a presença de muitos amigos de Portugal nos diversos sites "bloggers" que visito, entre eles o seu bem elaborado Arte Fotográfica, que cuidarei de colocar entre os meus favoritos.
Gaspar, muito agradecido por suas palavras. A sua presença por aqui, que espero seja constante, é uma honra para mais este seu amigo.
Abraços. Um ótimo final de semana.

sábado, outubro 11, 2008  
Anonymous Maria das Graças said...

Adelino, lindas lembranças de sua infancia.
E também gostaria de descrever uma que tive, numa fazenda em Minas.
Todos acordavam às quatro horas da manhã para o trabalho da lavoura e por isto o almoço, era nove horas da manhã e o jantar quinze horas, e à noite, um farto lanche.
Passei dias maravilhosos, nesta fazenda!
Quanto a você ressaltar a integridade de seu tio quanto a ecologia, isto foi muito bonito, ele soube aproveitar sua estada aqui, e proporcionar a todos o que o rodeavam com seu belo exemplo.
Quanto ao vizinho, você disse bem:
_a sua ignorância não o permitia ver o quanto estava destruíndo um bem, que sabemos que muitas espécies de passaros estão extinta no momento.
Tudo tem uma lição de vida no que escreve.
Parabens!
Maria das Graças.

sábado, maio 09, 2009  

Postar um comentário

<< Home