24 fevereiro 2008

UMA VIDA EM JOGO - João Saldanha


Mais um presente, um presentão...
Deram-me um livro que está sendo muito comentado e analisado nos "segundos cadernos", cadernos literários e "cadernos B"... Os que acompanham este blog já devem ter visto um post de 26/07/2007 contando a forma como consegui o autógrafo do João no meu livro MEUS AMIGOS, de autoria dele. Para quem gosta do gênero memórias ou biografias, e ainda mais em se tratando de uma personalidade ímpar como Saldanha, o livro de André Iki Siqueira "JOÃO SALDANHA - uma vida em jogo" (Companhia Editora Nacional, 550 páginas) é simplesmente maravilhoso. O autor é carioca, 47 anos, jornalista, consultor de comunicações e marketing e roteirista de cinema e TV.


A obra, fruto de quatro anos de um minucioso trabalho de pesquisa, começou na cidade de Maricá (RJ), onde João morava nos últimos tempos, e, segundo o autor, não é uma biografia completa, pois de Saldanha nunca se conseguirá escrever tudo o que a ele for relacionado, tal a intensidade com que viveu a vida. Muitas histórias, afirmam alguns, não passariam de fantasias do próprio João, o que torna o livro ainda mais curioso, intrigante, fascinante. Ao contrário do que muitos pensam, João não foi apenas um jornalista esportivo apaixonado pelo BOTAFOGO, time do qual foi o técnico Campeão Carioca de 1957, e ainda responsável pela formação e classificação da seleção brasileira que venceu o Campeonato Mundial no México, em 1970. João, além de correspondente de guerra na Europa, foi ativo participante de movimentos políticos e sociais do país, tanto no Rio Grande do Sul quanto no Rio de Janeiro. Enfim, uma leitura muito agradável.
(Imagem de APS escaneada do livro)

23 Comments:

Anonymous ery roberto said...

Adelino, você é um felizardo! Eu também preciso ler este livro. Saldanha é uma lenda. Bom domingo!

domingo, fevereiro 24, 2008  
Blogger Lia Drumond said...

Não é minha leitura favorita, mas seu texto deu até vontade de dar uma olhadinha. Bjs

domingo, fevereiro 24, 2008  
Blogger Eduardo P.L. said...

Adelino,

obrigado pela dica. Já havia ouvido falar, mas seu post me aguçou a vontade de ler! Gosto de biografias. Acabei de ler a do doidão TIM MAIA.

Boa semana!

segunda-feira, fevereiro 25, 2008  
Anonymous Anônimo said...

Adelino,

gosto de biografias, e sempre gostei do Saldanha.
Era bom ler o que ele escrevia, ouvir o que dizia.
Irônico e inteligente, jamais deixava de satisfazer e surpreender o leitor, o ouvinte e, mais tarde, o telespectador.
Quando ele se foi, eu publicava crônicas semanais no "Estado de Minas", Belo Horizonte.
Naquele domingo, escrevi uma crônica sobre ele, e ainda me lembro de como esse fato me emocionou.

Beijo da

Vivina.

segunda-feira, fevereiro 25, 2008  
Anonymous jeanne said...

Ele foi uma figura muito importante, fiquei curiosa sobre o livro.
beijos

segunda-feira, fevereiro 25, 2008  
Anonymous DO said...

Gostei da dica,ADELINO.

Vou atras.

Abraços e otima terça!

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous peri s.c. said...

Não se fazem mais certos Joões como antigamente.

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ery, é uma leitura muito agradável mesmo. Não tem só futebol.

Saldanha foi uma figura folclórica. A última vez que o vi pessoalmente foi numa fila de caixa de um pequenino mercado numa cidade próxima ao Rio.
Grande abraço, e boa semana.

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Lia, sei da sua preferência por ficção. Dizem os biógrafos do João que algumas histórias que contava era fictícias... Mas nem tanto. Neste livro confirmam a veracidade de muitas delas. Acho que vai gostar.
Beijos

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Eduardo, o doidão do TIM MAIA é do Nelson Motta, não é? Eu ganhei o NOITES TROPICAIS dele também, vale a pena para quem gosta da história da Bossa Nova, música popular brasileira, (Antiga) Jovem Guarda...
Sobre mais este livro biográfico de João Saldanha é ótimo, divertido.
Boa semana para você.

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Vivina, gostaria muitíssimo de ler a sua crônica feita por ocasião da morte do João. Meu e-mail está aí mesmo, mas lá vai:
adelino.ps@gmail.com

Eu tenho algumas gravações que fazia aleatoriamente de alguns programas de debates esportivos nos quais ele participava. Vou tentar recuperá-los em DVD.
Beijos

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Foi sim, Jeanne. Eu sou vascaíno, mas o João era tão carismático, que torcíamos por ele quando quase invadia o campo para protestar contra os "sopradores de apito", conforme dizia o Mário Vianna (com dois NN).
Beijos

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Do, vale a pena. É uma leitura amena, curiosa, divertida, séria, enfim, tem todos os ingredientes que fazem de uma tarde de chuva ser bem agradável.
Grande abraço, e obrigado

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Peri, é o tipo de livro que só aparecerá futuramente em sebos se o dono dele (do livro) estiver maluco...
Grande abraço, Peri.

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Maria Augusta said...

Adelino, o nome de João Saldanha está ligado à fase áurea do futebol brasileiro, quando a camisa canarinho era respeitada pelos que a vestiam. Obrigada pela dica. Um abração.

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Anonymous Adelino said...

Maria Augusta, com certeza é uma leitura cheia de surpresas curiosas, principalmente para quem se lembra do João Saldanha ainda em vida.
Abraços

terça-feira, fevereiro 26, 2008  
Blogger Aninha Pontes said...

Parabéns Adelino, pelo presente e pelo post.
Você sempre rico de informações para nos passar.
Um beijo

quarta-feira, fevereiro 27, 2008  
Anonymous Adelino said...

Olá, Ana, bom dia.
À medida em que avanço na leitura do livro vou me surpreeendendo, porque o João Saldanha que eu conheci (não pessoalmente) nos meus tempos de Maracanã, General Severiano, Rua Bariri, Figueira de Mello, Laranjeiras ou São Januário, aos sábados e domingos, era o homem ligado ao futebol, inteligente, irreverente (mas com educação), por vezes brincalhão nas mesas-redondas, crítico sem medo. O João que classificou o Brasil para a Copa do México. O João que dizia abertamente ao Jairzinho que "com esse cabelo estilo black-power você nunca vai fazer gol de cabeça, porque ele amortece a bola, que sai sem força alguma"...
O livro revela um João que se fantasiava no Carnaval, sambava, um portelense de coração. Muito mais engraçado do que imaginamos, justamente pela seriedade dele.

Ana, vou parar de falar neste livro, caso contrário vão dizer que isso é "jabá"... E o Blogger me corta. Já tem muito Saldanha neste blog.
Um beijo pra você. E um abraço para o Valter.

quarta-feira, fevereiro 27, 2008  
Blogger Luci Lacey said...

Adelino

Adoro biografias, sempre tem algo mais de alguem para sabermos tambem.

Beijinhos

quarta-feira, fevereiro 27, 2008  
Anonymous Adelino said...

Vale a pena, Luci.
De vez em quando precisamos de uma leitura um pouco menos pesada. Já basta a vida tão encucada, não é?
Beijos, e ótima semana.

quinta-feira, fevereiro 28, 2008  
Anonymous Anônimo said...

Parabems Adelino. Sou espanhol mas agora estou na Argentina. E muito merecido seu interesse no Joao.Dou conferencias sobre a historia do futebol que pode olhar no site www.laboratoriofutbol, onde mostrei jogos da selecao dele do 69 e depoimentos feitos por ele na TV para a BBC nos 60, e falei muito tambem sobre o homen que mudou a historia do futebol no Brasil, como grande criador da sua identidade e o jeito artistico brasileiro de jogar, depois da fracasada ultra disciplina dos Aymoré Moreira e Flavio Costa. Ja desde seu lendario Botafogo do 57, e muito mais com suas feras do 69 que eu vi jogar la no Maracana.
Novamente parabems por resgatar a figura lendaria de uma das pessoas que mais influencia tem na cultura popular do Brasil.

segunda-feira, março 10, 2008  
Anonymous Adelino said...

Agradeço ao leitor que não se identificou; isto acontece às vezes até com os mais experientes.
O que importa foi a sua mensagem muito importante para nós.
Obrigado, caro Anônimo...
Um abraço

sábado, abril 19, 2008  
Blogger aqcuarius said...

Desculpa Adelino, voce tem razao com a questao do anónimo.
Eu sou Rogerio Antonio Dominguez, filho do grande goleiro primeiro do Real Madri, e depois do Flamengo no fim dos 60.
Voce pode me achar en:
basinger.international.s.a@gmail.com
Novamente parabems e obrigado por de ter feito a obra que voce fez , e que ainda nao tive a oportunidade de leer.
Grande abraco.

sábado, janeiro 10, 2009  

Postar um comentário

<< Home