19 janeiro 2008

FEIRA DE ANTIGUIDADES

----------------------------------------------------------------------------------
Todo primeiro sábado de cada mês realiza-se uma Feira de Antiguidades na tradicional Rua do Lavradio, sob o patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro. Os objetos ali expostos são os mais variados e curiosos possíveis: binóculo para teatro, canetas, moedores de carne, discos 78rpm dos anos 40/50, lápis de propaganda, gravadores de som, projetores de cinema, máquinas fotográficas, pinguins para geladeira (...), pedaços de bonecas e bonecos, mesas, escrivaninhas, penas (de escrever), sinos, sinetas, telefones, enfim tudo... Eu gosto de antiguidades, mas me interesso mais por publicações antigas, tais como, Revista do Rádio, Scena Muda (sic), Filmelândia, Cinelândia, Cruzeiro, Manchete, Globo Juvenil, Gibi e vai por aí. É claro que nem tudo é antiguidade. Há barracas de bijuterias, de roupas, de artesanato, expositores de desenhos feitos na hora.

De vez em quando costumo parar num estande que expõe para venda fotos antigas. Fotos de família. Às vezes me comovo folheando álbuns de casamentos, de batizados, de formaturas, de primeira comunhão, postais com dedicatórias carinhosas escritas à pena e tinta nanquim. Fotos de pessoas sorridentes, alegres, sérias, todas posadas, com muito orgulho e pompa. E até cartas redigidas no estilo "Pego na pena para escrever estas mal-traçadas linhas"... Não têm nomes, destinatários, mas na maioria das vezes, têm data: 1929, 1934, 1942, 1947. E fico pensando: o quê teria acontecido àquelas pessoas? Onde estarão agora? Ou já se foram? Por qual motivo jogaram fora suas cartas e fotografias? Por ódio, amor ou indiferença? Ou não jogaram, jogaram por elas? É um mistério quase insondável. Só mesmo seus próprios figurantes poderiam explicar... Mas, nostalgias à parte, vale a pena ir até lá.

----------------------------------------------------------------------------------
Um "aspecto" da Feira de Antiguidades (foto de Aps - digital)
----------------------------------------------------------------------------------

8 Comments:

Blogger Eduardo P.L. said...

Eu gosto de chegar nessas feiras logo no início. Como aqui que sou o primeiro a comentar. Dá sempre a impressão de pegar os produtos "frescos" ( depois de dezenas de anos mofando por aí...).
Cada louco com suas manias!!!

Forte abraço, e bom domingo!

sábado, janeiro 19, 2008  
Blogger david santos said...

Olá, Adelino.
Também tenho essa mania. Aqui em Espinho, Portugal. É a melhor altura para se ver inde os feirantes escondem os produros traficados. Mas não é menos verdade que os legumes estão mais frescos.
Parabéns.

sábado, janeiro 19, 2008  
Blogger Luci Lacey said...

Adelino

Adoro feiras de antiguidades.. brechos.

Aqui tem algumas boas e costumo passar horas esquecidas.

Beijinhos e bom Domingo.

sábado, janeiro 19, 2008  
Blogger Aninha Pontes said...

É Adelino, você está certo.
Só os próprios personagens poderiam dizer porquê essas coisas estão alí.
É bem verdade que com o passar do tempo, todos nós ficamos com "essa mania" de guardar coisas.
Me lembro que quando jovem, sempre dizia à minha mãe, porque guardar tanta coisa?
Hoje, me pego guardando objetos que são ou foram importantes prá mim.
Eu nessa feira aí, já saberia o que comprar. Um moedor de carne, daqueles antigos, em que moíamos carne para fazer linguiça.
Muito bom.
Um beijo.

domingo, janeiro 20, 2008  
Blogger Betinha said...

Eu gosto muito de garimpar nestas feirinhas que aparecem em algumas cidades, em Juiz de Fora por exemplo tem uma feirinha bem legal...
Já comprei até ferramentas que eu não tinha aqui no meu sítio, pode?
Abração.

segunda-feira, janeiro 21, 2008  
Blogger Maria Augusta said...

Adelino, aqui na França tem muitas feirinhas assim, se chamam brocantes. E o pessoal vende e compra mesmo, eles são muito apegados ao passado e à história. No começo eu não entendia, agora aprendi a gostar.
Abração.

segunda-feira, janeiro 21, 2008  
Anonymous Adelino said...

Apesar do atraso, não gosto de deixar comentários sem respostas. Somente ontem, vi que tinha passado "por cima" deste post. Vamos lá, então, e obrigado a todos:

EDUARDO, acontece sim. Outro dia, um senhor de uma barraca de revistas antigas me disse que se eu tivesse chegado mais cedo, teria encontrado "coisas" excelentes;

DAVID, eu imagino o que não deve ter de coisas sensacionais por aí;

LUCI LACEY, e eu antão? Quando na rua com minha saudosa esposa ela evitava passar em frente a sebos e antiquários. Sabia que dava uma entradinha;

ANA PONTES, dá pena ver fotos tão bem elaboradas, preparadas, posadas, jogadas ao chão, dentro de baús. Quantas histórias não teriam para contar? Eu acho que muitas vezes, nem é maldade dos que jogam fora, mas da falta de espaço, de tempo, ansiedade das pessoas;

ELIZABETH, são uma diversão essas feiras de antiguidades. Vê-se de tudo; eu nesses casos prefiro fotos antigas e revistas. E os antigos moedores de café e de carne?...

MARIA AUGUSTA, sem dúvida os povos europeus têm muito amor às tradições, e assim se apegam, conservam, adquirem, objetos antigos... Aqui também, mas nem tanto.

Grande abraço a todos, e ótimo final de semana.
Adelino

domingo, fevereiro 24, 2008  
Blogger Juscelino Bezerra said...

Olá, estou divulgando uma intervenção fotografica na feira de Antiguidades da Praça XV. São fotos de coisas da feira nos ultimos quatro anos que estarão por lá todos os sábados de junho no horário da feira. O evento se chama FOTOFEIRA e está na programação do fotorio 2011 (http://www.fotorio.fot.br/2011/exposicoes.asp?cdt=5&cdl=1224)

segunda-feira, junho 13, 2011  

Postar um comentário

<< Home