08 setembro 2007

COISAS DA VIDA ou A CHAVE DA SORTE


----------------------------------------------------------------------------------
Depois das tristezas da semana que se encerra, uma historinha um pouco diferente: segunda-feira passada procurei pelo serviço de um chaveiro muito antigo, de confiança aqui dos moradores da rua. Ele me perguntou se eu me lembrava dele. Eu disse que achava que sim. Então ele contou que há uns cinco anos eu o chamei para trocar a fechadura da porta social do nosso prédio (na época eu era o Síndico do Condomínio...)

– É verdade. Agora eu me recordo – eu disse.
– Pois imagina, na chave que troquei tinha gravado um número, uma “milhar”...
- Disso eu não recordo. E então? – perguntei.
- Pois é, naquele mesmo dia eu joguei aquele número inteirinho.
- E deu?
- Deu na “cabeça”– (Não entendo nada de milhar e nem de dar “na cabeça”...)
- Mas e o prêmio, serviu para alguma coisa?
- Olha, se serviu - disse-me ele sorrindo -, dez mil e quinhentos reais, que hoje valeria uns doze ou treze, comprei um carro para trabalhar e ainda acertei a vida do meu filho mais novo.
- Que maravilha! – exclamei. Fico feliz em saber que fui indiretamente o responsável por ter acontecido isto.
- Sem dúvida, disse ele, outro dia a minha esposa estava aqui, o senhor passou, e eu fiz questão de mostrar quem tinha sido o responsável por tanta felicidade. E não deixamos de fazer uma prece para o senhor e sua família.

Se eles fazem uma prece é porque são religiosos, eu não perguntei. Não sei se Evangélicos, pois segundo se sabe, estes não jogam. Devem ser católicos, pelo jeito. Pouco importa. Ele me entregou a cópia da chave, e eu me despedi satisfeito por ter proporcionado ainda que involuntariamente uma grande alegria a pessoas que precisavam."

----------------------------------------------------------------------------------
Imagens escaneadas por Aps.
----------------------------------------------------------------------------------

18 Comments:

Anonymous Magui said...

Uau ! Que sorte!! Ganhar este dinheirão em jogo do bicho é milagre.

sábado, setembro 08, 2007  
Blogger Eduardo P.L. said...

Adelino, e você não tem um milhar para me indicar???

sábado, setembro 08, 2007  
Blogger O Meu Jeito de Ser said...

Adelino, o Eduardo já tá achando que você é "pé quente", e já quer abusar do amigo.
Puxa, mas que história gostosa de ler e ouvir né?
Eu também no seu lugar teria ficado muito feliz de proporcionar uma coisa tão boa à alguém, mesmo que involuntariamente.
É bom saber que ajudamos as pessoas.
Legal, já lí o post para o Valter que está do meu lado.
Você sabe né? Aqui, quando um está aqui, o outro tá fora.
Um beijo.
PS: Não vai perder a missa amanhã heim? Nem pela Marília.

sábado, setembro 08, 2007  
Blogger valter ferraz said...

Adelino, coisa boa é isso. A gente saber que fez o bem, sem ao menos nos dar conta disso.
Eu comentei com a Aninha: o Adelino é o tipico brasileiro cordial. Conversa com todo mundo, sempre tem uma história para contar, enfim: de paz com a vida!
Grande abraço

sábado, setembro 08, 2007  
Anonymous Adelino said...

Muita sorte, Magui. Pura coincidência. Obrigado, e
bom final de semana.

domingo, setembro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

Eduardo, não entendo nada, sinto muito. Arrisco às vezes na Lotofácil, porque é divertido. E além disso, os meus palpites são aleatórios, a chamada surpresinha.
Grande abraço e bom final de semana.

domingo, setembro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

Anna, eu até que já fui bom nisso, mas em apontar resultados de futebol.
Na Copa do Mundo de 1958, na empresa em que eu trabalhava, promoveram dois "bolos" (o Valter sabe o que é): um de gol e outro de palpites. Todo mundo achava que o Brasil ia golear o País de Gales. Então eu coloquei um "magro" Brasil 1 x 0. No bolo de gol fui sorteado com o Pelé. Resultado? Brasil 1 a 0, gol de Pelé... Nunca mais fizeram bolos...
Não vou perder a missa não, Anna. Pode deixar. E prometo me lembrar de todos os amigos blogueiros.
Grande abraço e bom domingo.

domingo, setembro 09, 2007  
Anonymous Adelino said...

Valter, eu fiquei feliz mesmo, nem pensei que poderia ter sido eu o felizardo, mesmo por que, não jogo. Indiretamente fui um felizardo também.

Você acertou muito na análise de parte da minha personalidade. Quanto a estar de bem com a vida, apenas tentamos estar. Mudamos o que podemos mudar, mas procuramos imitar a casuarina que se dobra à força dos temporais, por isso não se parte. Já disseram que lágrimas lavam a alma. Acho que sim.

Valter, são 08:25 de domingo. Vou seguir a recomendação da Anninha: não perder a missa.
Grande abraço, excelente domingo com a sua família, muito ânimo, Palmeiras vitorioso, espero. O meu Vasco perdeu para o São Paulo, mas jogou bem, o que significa promessa de novas vitórias.
Abs
Adelino

domingo, setembro 09, 2007  
Blogger Yvonne said...

Adelino, apesar de não conhecê-lo, sei que você é muito gente fina. Por esse motivo você fez a alegria desse homem. Não foi um fato sem explicação. Você foi um anjo na vida dessa pessoa. Beijocas

domingo, setembro 09, 2007  
Blogger Sonia said...

Que história incrível, Adelino! Acho interessante essas coincidências!

Abraços e uma ótima semana!

segunda-feira, setembro 10, 2007  
Blogger Eduardo P.L. said...

Adelino, uma informação: NUNCA joguei na vida. Em nenhuma delas. Você acredita? Como posso querer ganhar?

Abçs

segunda-feira, setembro 10, 2007  
Blogger marilia said...

Adelino, amigo...
que bom poder fazer com que os outros sintam por voce sentimento tão nobre!!!!
vc merece amigo, e sabe que ajuda a muitos com esse seu jeitão carinhoso e com a sua atenção!
um bjão!
ps: rimou!!!!!!

segunda-feira, setembro 10, 2007  
Anonymous Adelino said...

Muito obrigado, Yvonne, pelas palavras carinhosas. Muitas vezes somos, sem saber, portadores de um pouco de felicidade para outras pessoas. Foi o caso.
Um abraço, Yonne.

terça-feira, setembro 11, 2007  
Anonymous Adelino said...

Como disse a Yvonne, Sonia, pode não ter sido coincidência.
Abraços.

terça-feira, setembro 11, 2007  
Anonymous Adelino said...

Acredito sim, Eduardo, que nunca tenha jogado. Ganhar em loteriais, sem jogar, claro, é impossível. Se não me engano uma vez li que Henry Ford teria dito:
- Se quiser ter algum sucesso financeiro não jogue jamais.

Só pelo fato de não ter jogado nunca você já saiu ganhando...
Grande abraço

terça-feira, setembro 11, 2007  
Anonymous Adelino said...

Acredito sim, Eduardo, que nunca tenha jogado. Ganhar em loteriais, sem jogar, claro, é impossível. Se não me engano uma vez li que Henry Ford teria dito:
- Se quiser ter algum sucesso financeiro não jogue jamais.

Só pelo fato de não ter jogado nunca você já saiu ganhando...
Grande abraço

terça-feira, setembro 11, 2007  
Anonymous Adelino said...

Marilia, não sei o que dizer. Só agradeço.
Gostei da rima...
Beijos

terça-feira, setembro 11, 2007  
Blogger Lord Broken Pottery said...

Adelino,
Outra história bonita. Aos poucos você vai se revelando exímio contador. Saiba que é ótimo ler o que você escreve.
Grande abraço

quarta-feira, setembro 12, 2007  

Postar um comentário

<< Home