01 setembro 2007

POUCAS PALAVRAS


----------------------------------------------------------------------------------
Na quarta-feira, 29 de agosto, recebi de minha filha Claudia a seguinte mensagem de texto no telefone celular:

"Oi, já reparou que no Conselheiro Mayrink tem um ipê rosa? Passei por ali agora e vi. Acho que as flores já estão caindo, mas está bonito. Beijos. Claudia."

Curioso como em poucas palavras pode-se transmitir muito carinho e sensibilidade.

"Obrigado, Claudia. Vou fotografá-lo assim que puder. Beijos.Adelino."

----------------------------------------------------------------------------------
Foto de Adelino P. Silva(01/09/2007)
----------------------------------------------------------------------------------

12 Comments:

Blogger marilia said...

Adelino...
amor de filho é assim.
A gente entende sem precisar falar muito ou explicar.
Um bom fim de sábado e um domingo de muito sol!
bjão!

sábado, setembro 01, 2007  
Blogger O Meu Jeito de Ser said...

E ele está lindo mesmo.
Aliás como o ipê, com esta beleza exuberante, só ele mesmo.
Um beijo e bom domingo

domingo, setembro 02, 2007  
Blogger Sonia said...

O Ipê rosa enfeitou a fachada branca do prédio!

Abraços para você e para a Claudia também!

domingo, setembro 02, 2007  
Anonymous Helô said...

Pois é, Adelino.
Hoje cedo também me surpreendi com um recado deixado no meu celular. Um pouco diferente do seu, ele dizia o seguinte: "Oi, acabei de chegar. Adorei nossa noite. Espero ficar mais vezes com vc. Um abraço bem apertado e um beijo enorme. Ursinho!!!"
A propósito, dormi na minha cama e meu marido jamais teve apelido de ursinho. :)))
É mole?
Beijos.

domingo, setembro 02, 2007  
Blogger valter ferraz said...

Adelino, amor de filha, é ou não é?
O Ipê, digno de nota mesmo.
Agora, um alô para a Helô (ih, rimou até): conta direito essa história, menina!
Vc mostrou o recado pro urs, ops! pro teu marido?
Abraço pro Adelino,
Beijo prá ursinha!

domingo, setembro 02, 2007  
Blogger O Meu Jeito de Ser said...

Helô, que situação heim?
Felizmente você dormiu na sua cama e com seu marido. Já pensou se é uma daquelas situações em que tem que dormir fora, como explicar?
Um número digitado errado e dá nisso, um embrulho só.
Um beijo Adelino e Helô.

domingo, setembro 02, 2007  
Anonymous Adelino said...

É mesmo, Marilia, não precisa explicar muito. Poucas palavras ou gestos bastam.
Bom resto de domingo, e ótima semana.
Beijos

domingo, setembro 02, 2007  
Anonymous Adelino said...

Anna, o ipê até que não está tão bonito como esteve quando recebi a mensagem da Claudia. A foto foi feita uns três dias depois, mas valeu pelo simbolismo.
Beijo, e boa semana.

domingo, setembro 02, 2007  
Anonymous Adelino said...

Obrigado, Sonia.
É bonito quando vemos a Natureza convivendo garbosa e pacificamente com prédios, casas e asfalto.
Abraços e boa semana.

domingo, setembro 02, 2007  
Anonymous Adelino said...

Helô, imagine o seguinte: a pessoa para a qual foi endereçada a mensagem claro que não a recebeu. E deve ter ficado chateada com o remetente. Que confusão. Esse Ursinho não seria um ursinho de pelúcia que as meninas costumam dormir abraçados com eles? Pode ser também. E ainda você correu o risco de o seu marido ler a mensagem. Que ursada...
Beijos, Helô, e boa semana.

domingo, setembro 02, 2007  
Anonymous Adelino said...

Valter, o computador é burro. Faz o que mandam, criam mal entendidos, e até separações. Imagine que um jovem parente meu mandou vários e-mails para uma pessoa conhecida, e todos retornaram ao remetente, no caso, ele. Ficou aborrecido achando que as mensagens dele tinham sido bloqueadas pela destinatária. Sentiu-se rejeitado, mas esqueceu o acontecido. Um mês depois a mesma pessoa cobrou-lhe os e-mails dizendo-se ela sim "rejeitada". Ele foi ver e constatou que tinha errado: colocara um ponto a mais no endereço dela... Claro queos e-mails voltavam todos.
Grande abraço, e boa semana.

domingo, setembro 02, 2007  
Anonymous Adelino said...

É mesmo, Helô, a Anna lembrou bem. E se vc tivesse passado a noite longe de seu marido? E tem outra hipótese: já imaginou se mensagem igual a essa cai no celular de um homem casado metido a machão, e que tivesse ficado fora a noite toda? Como ia explicar o tal do "Ursinho"?
Beijos pra Anna e Helô.

domingo, setembro 02, 2007  

Postar um comentário

<< Home