03 setembro 2008

REVISTAS DO "MEU TEMPO" - 9


---------------------------------------------------------------------------------
Domingo passado estive na feirinha dominical de colecionadores nos jardins do Passeio Público, Rio de Janeiro, em frente à antiga Mesbla. Dei-me por satisfeito ao adquirir um antigo exemplar da revista CARETA, original. Óbvio que não é do "MEU TEMPO", vê-se pela data: 19 de março de 1910, nada menos que 98 anos de idade... Quando eu disse original é porque uma editora da qual não me lembro o nome chegou a relançar vários exemplares fac-similados na década de 70. Como disse em posts anteriores, uma década nostálgica em tudo. Dito isto, vejamos o que publicou a CARETA naquela época. As páginas não estão numeradas e a grafia está no original...
Reclames:
Perfumes sem Alcool ILLUSION DRALLE // Machinas de escrever (Na SEVERO DANTAS & C.) // BOTA FLUMINENSE Fabrica e deposito de calçado paulista // NA SUA PROPRIA CASA! Uma fabrica de gazoza que só lhe custa 5$00 // AGUA DA BELEZZA (A perola de Barcelona para a beleza da cutis) //AGUA FIGARO DE A. BUENO (A melhor tintura para Cabellos e Barba) // FRIGIL (bebida espumante e sem alcool) // AID (A melhor brilhantina do mundo) // OLEO DE OVO do Ph. Carlos Barbosa Leite // "Arnold" o Vibrador Electrico de Massagem. Não póde ser confundido com outros aparelhos tocados á mão...
E assim vai. Contém ainda poesias, contos, sequência de charges intituladas Os versos de Bilac, chapas do regresso do Marechal Hermes, do incêndio no navio Orion no Porto de Santos, de paisagens de Nichteroi, instantâneos de senhoras e senhorinhas da sociedade etc.
Destaque-se a foto (Imagem 2 deste post) com a seguinte legenda: "EM ATHENAS - durante os ultimos jogos olimpicos effectuados em Athenas, os gymnasticos fizeram evoluções que, em dado momento, representavam a palavra ODOL. Como é sabido, é este o nome do dentifricio antiseptico de maior fama no mundo inteiro". (Parece que o patrocínio já era coisa forte desde 1910)...
Expediente da CARETA: Redacção e officinas: Rua da Assembléa, 70 - Rio de Janeiro // Assinaturas: ANNO 15$000 Semestre 8$00 // Numero avulso: CAPITAL 300 Rs ESTADOS 400 Rs // Edição de Kósmos N. 94/RIO DE JANEIRO - Sabbado - 19 - Março - 1910/ANNO III
--------------------------------------------------------------------
Imagens escaneadas por aps. Para ampliá-las clique sobre elas.
--------------------------------------------------------------------

76 Comments:

Blogger Georgia said...

Nunca ouvi falar.
Abracos

quinta-feira, setembro 04, 2008  
Anonymous Adelino said...

Georgia, eu não sabia que você "garimpava" post antigos... Rs... Quando estou preparando um novo costumo "publicá-lo" numa data mais "pra trás" pra ver como ficaria. Você voltou ao passado e me "flagrou" lendo uma "matéria" não pronta... Aliás, muito obrigado por isso, uma prova de que lê posts antigos. E ainda comenta...
Abraços

quinta-feira, setembro 04, 2008  
Blogger Aninha Pontes said...

Ih! dessa vez não conheci nem os reclames.
Tudo novo, novinho prá mim.
Um beijo

quinta-feira, setembro 04, 2008  
Blogger Maria Augusta said...

Eu também é a primeira vez que ouço falar desta revista. Adoro a lista de reclames, é uma verdadeira delícia. E a publicidade que ja existia em 1910, incrível!
Muito bom este post, Adelino, parabéns!
Abraços.

quinta-feira, setembro 04, 2008  
Blogger Caliandra do Cerrado said...

Curiosidades interessantes. Gostei inclusive da "grafhia".
Realmente ter participado do Ecological Day além de ter sido muito prazeroso, deu-me um retorno gratificante: A oportunidade de fazer novos amigos, entre os quais você.
Obrigada pela visita.
Bjus

:)

quinta-feira, setembro 04, 2008  
Blogger Georgia said...

Hahahahhahaahh!!!!

Adelino, quer dizer que eu te peguei com a mao na massa????

Vc sabe que às vezes me acontece o mesmo quando estou postando, o post que ainda nao está pronto teclo uma tecla e ele entra e ai depois eu tenho que correr para corrigi-lo.

É assim mesmo, nao esuqenta.

Mas interessante saber que essas feiras no Rio de Janeiro estao vendendo essas preciosidades, pois devo imaginar que muita gente gosta de comprar séries antigas ou alguma revista que nao foi do seu tempo.

Bom fim de semana

sexta-feira, setembro 05, 2008  
Blogger  said...

Adelino,
são uma delícia estas tuas imersões no passado...tenho ficado impressionada com a mudança cada vez mais rápida de tudo...fatos que aconteceram a só 50 e poucos anos parecem ter acontecido em outra era!
A Aninha por exemplo no comentário acima fala de "reclames"...ai, Deus acho que as gerações de hoje nem mais sabem o que é isto assim como vitrola...e tantos outros termos que parecem terem sido usados na época do ..." bumbo" <;-}
Adoro vir aqui...Um ótimo fim de semana.

sexta-feira, setembro 05, 2008  
Blogger Cristiane said...

Adelino,

Vir aqui é sempre uma boa oportunidade de conhecer coisas, como essa revista, antiguidades são um tesouro valioso, como me disse um amigo certa vez...

Tô em semana de provas, uma correria danada, o que já não é nem novidade, não é mesmo?

Tudo bem com você?
Apareça...
Um fim de semana iluminado, Cris

sexta-feira, setembro 05, 2008  
Blogger valter ferraz said...

Adelino e seu baú. O verdadeiro homem do baú, destronando aquele camelô que virou dono de rede de televisão.
Revista Careta. Não, não é do meu tempo.
Boa semana,
Abraço forte

sexta-feira, setembro 05, 2008  
Anonymous peri s.c. said...

Adelino
"Careta" é um ícone das revistas brasileiras, não ?

Você está devendo a " Revista do Rádio" e talvez a " Macânica Popular "

sexta-feira, setembro 05, 2008  
Blogger sonia a. mascaro said...

Pessoal, também não é do meu tempo! (risos) Mas eu conheço, em função de minha profissão e meu mestrado (analisei a "Revista Feminina" de 1914). Foi uma revista famosa na época, e eu já tive a oportunidade de ver pessoalmente na hemeroteca da Faculdade de Comunicações da USP.
Uma delícia ver os reclames e a graphia!
Ótimo post, Adelino!
Beijos.

sexta-feira, setembro 05, 2008  
Anonymous Anônimo said...

Adelino,

não sei quantos anos durou a "Careta", mas meu pai comprava os exemplares em São João del-Rei, e me lembro de sua existência em nossa casa, aquela fazenda sossegada do interior mineiro.

Estou falando sobretudo da década de 50. Nasci em 40, e me lembro de conviver com a revista em meus tempos de adolescente, aos 15, 16 anos.

Seu post me deixou com muita saudade de tudo, principalmente da casa e das personagens que a habitavam, as verdadeiras e as fictícias.
As da família, simples, rurais, e as da revista "Careta", politizadas, carregadas de humor. Nos dávamos bem, leitores e matérias a serem lidas, e esse é um dos eternos mistérios da palavra escrita. A gente se entende com o que lê, se encontra em textos alheios, se envolve, se apaixona, ah!!!

Falei demais, como sempre.

Beijo nostálgico

Vivina.

sexta-feira, setembro 05, 2008  
Blogger Luma said...

hahahaha confesso que levei um susto quando comecei a ler "Arnold" o Vibrador Electrico de Massagem! O que mais gosto daquele tempo (também não vivi lá) é pensar que tinham menos malícia para as coisas que hoje em dia.
Bom fim de semana!! Beijus

sexta-feira, setembro 05, 2008  
Blogger valter ferraz said...

Adelino,
vc viu que legal? Só a Vivina confessou ter vivido aquele tempo e ainda falou demais como ela sempre reclama.
Fala mais, Vivina, fala!
Boa semana para voces,
Abraço forte

sábado, setembro 06, 2008  
Blogger Eduardo P L said...

Essa é do meu tempo, também! Mas não conta pra ninguém, que é a maior bandeira!

Bom fim de semana Adelino!

sábado, setembro 06, 2008  
Blogger chicoelho said...

Bem, eu não lembro, mais se e do tempo do Eduardo eu devo ter conhecido tambem.Quero agradecer suas visitas e comentarios tão gentis,ja add seu blog nos meus preferidos.

UM abraço

sábado, setembro 06, 2008  
Blogger Vivien Morgato : said...

Adoro a Careta, trabalhei com pesquisas com revistas como ela no Arquivo Edgard Leuenroth.
Essa feira deve ser o máximo!

sábado, setembro 06, 2008  
Blogger Vivien Morgato : said...

E a Fon-Fon...vc tem algum número?
beijos.

sábado, setembro 06, 2008  
Anonymous Bete said...

Adelino querido.
Obrigada pela visita e pelo carinho.
Tem muita coisa que podemos ver sobre a Amazonia,deixei um link para uma leitura mais ampla. Vale a pena navegar.
A Fortaleza Sao Jose de Macapá é a primeira maravilha do Brasil, promovido pela revista Caras e eleita pela população. Foi restaurada e está belissima.
Pena que vc nao visitou a o Marco Zero do Equador.É uma emoção pisar nos dois hesmisferios.

Temos uma música que diz:

Meu endereço é bem facil
Qualquer carteiro conhece
......................
é facil meu endereço
Va la quando o sol se pôr
Na esquina do rio mais belo
com a esquina do Equador.

Bjs amazonicos

sábado, setembro 06, 2008  
Blogger Jeanne said...

Não sou saudosista, ao contrário gosto de futuro, mas reconheço a necessidade de preservar a memória, a cultura, as tradições, tudo isto é MUITO importante, e neste sentido tens feito um ótimo trabalho aqui no blog.
ótimo final de semana, beijos

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Aninha, nenhuma vantagem. Até eu não conheci nenhuma delas... rs.
Um beijo. Ótima semana que chega.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Maria Augusta, muitos não a conheceram, eu cheguei apenas a ver algumas delas nas barbearias aonde éramos "obrigados" a cortar os cabelos uma vez por mês... Um sacrifício danado. Era uma revista com charges políticas, o que pouco nos interessava como crianças. Dizem as pesquisas:

"Careta foi uma revista humorística brasileira que circulou de 1908 a 1960. Periódico de excelente padrão gráfico e editorial, foi fundado por Jorge Schmidt e teve entre seus colaboradores alguns dos melhores chargistas do país, como Raul e J. Carlos (diretor e ilustrador exclusivo da revista até 1921)."

Um abraço, Augusta, e ótima semana pra vocês.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Elma, a "graphia" era realmente estranha, mas por vezes bonita.
Eu gostei muito da participação no Ecological Day por isso mesmo: além da nossa colaboração, conhecemos novos e interessantes blogs e amigos blogueiros.
Como disse, fiquei freguês do Calianda do Cerrado. A propósito, de onde o nome Calianda? Uma flor do cerrado, talvez?
Beijos. Ótima semana que se inicia.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Elma, eu de novo. Cometi um erro. Não é CALIANDA; é CALIANDRA... E Caliandra é mesmo uma planta do cerrado. Falha nossa... rs
Beijos

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Pois é, Georgia. E ainda fica rindo... Me pegou com a mão na massa, no lay-out.

Georgia, essas feirinhas e até os sebos são interessantes, mas já não têm tanta coisa boa como "antigamente", quando não era "moda" coisas antigas. Hoje tem até GIBIS que vão a leilão, imagine só, com lance inicial, martelinho e tudo... O que era execredado noutros tempos hoje é "raridae", cult, preciosidade.
Um abraço, ótima semana pra vocês.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Vi, é assim mesmo. Eu acho que pertenço a uma geração privilegiada por ter vivido e estar vivendo todas essas mudanças e avanços tecnológicos inacreditáveis numa época remota. Por exemplo: você falou da vitrola. Em casa tinha uma eletrola, que era uma vitrola mais avançada, ou seja, elétrica, movida a energia elétrica. E eu sonhava:
"Será se chegará um dia em que o homem conseguirá inventar um aparelho que tocará uma canção e a gente ainda verá a pessoa cantando ou a orquestra tocando? Não, não, isto é impossível..." Parecia-me impossível, mas acabou acontecendo e de forma cada vez mais perfeita.

E hoje, quem sabe algum jovem não fique imaginando se um dia ainda inventarão um aparelhinho que se ligado colocará o artista cantando "ao vivo" em sua sala? Quem sabe?
Bom, chega de devaneios... rs
Abraços. Ótima semana

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Cristiane, tudo bem. É um prazer muito grande descobrir essas relíquias em sebos e feirinhas. E quando relemos uma revista antiga que, no meu entendimento, difere muito do sabor de ler um livro antigo, é muito bom, "gratificante"... E nem é a mesma coisa que ler reedições. O sabor é outro, como disse.
Obrigado, Cristiane, uma ótima semana para você, e boa sorte nas provas.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Valter, é certo, não é do seu tempo. A Careta trazia muitas charges com políticos, charges bem pesadas. Circulou até 1960.
Muito grato por sua presença.
Grande abraço, Valter.
E que os turistas vindos de Santos não façam muito barulho por aí. Amanhã, 8, é feriado lá na terra de Braz Cubas. N.S. do Monte Serrat, não é?

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Peri, é sim. Você disse bem: um "ícone" da imprensa brasileira. Claro que outras revistas virão, prometi 30 e ainda estamos na edição 9...
Grande abraço. Obrigado, ótima semana para você.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Sonia, acho que já ouvi falar da Revista Feminina. Não era do meu tempo não, ok?
Sonia, falando sério: ontem vi um exemplar do CRUZEIRO, acho que uma edição daquelas cujos proprietários são obrigados a publicar pelo menos uma vez por ano para não perderem direito ao título. Dá pena. Quase do tamanho desses mini-gibis que publicam atualmente. Muito diferente daquelas dos anos 40/50/60.
Um beijo. Ótima semana prar vocês.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Vivina, lindo depoimento, e por que não dizer crônica.
As revistas chegavam ao jornaleiro ainda cheirando a tinta, amarradas com barbantes. Em nossa cidade tinha apenas uma banca que ficava numa lojinha, lembro-me até do nome do dono: "seu" Ferraz... As publicações chegavam nos trens da Mogiana, depois de uma longa viagem do Rio ou São Paulo. Se não comprasse logo, acabava e ficávamos na saudade...

Vivina, acho que já lhe fiz essa pergunta, mas como ela não quer calar, faço-a novamente: você tem livro publicado ou pretende publicar algum? Quando isso acontecer, avise-nos, veja lá...
Um beijo também. Obrigado pelo brilhante e comovente comentário. Ótima semana nova.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Tem razão, Luma. Menos malícia ou, se existia, era muito "camuflada". Os reclames era extensos e ingênuos. Prometiam mais milagres do que os atuais, mais controlados pelos códigos éticos de propaganda.
Valeu, Luma, ótima semana pra você. Compareça sempre.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Valter, a Vivina é uma preciosidade. Ela diz que fala muito, mas nada disso. É muito bom ler os depoimentos dela, sempre nostálgicos e verdadeiros. Pena - que eu saiba - que ela não tenha decidido ainda a escrever algumas memórias. Meu exemplar já está reservado. E com autógrafo. Não é, Valter?

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Eduardo, maior bandeira nada... Os melhores vinhos não são os mais antigos? Então por que negar que você fez uma caricatura do Olavo Bilac em 1917? É verdade que você já era bem maduro, mas e daí? O Valter está é com inveja porque não viveu naquele tempo, entendeu?
Brincadeirasá parte, Eduardo, ótima semana para você.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Chico Coelho, sou eu quem deve agradecer a sua visita. O seu blog foi uma grande descoberta para mim, fruto da nossa participação no bem sucedido Ecological Day, da Sonia Mascaro.
Grande abraço, e ótima semana.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Vivien, o arquivo que você citou tem algum site? Seria ótimo se nos indicasse.
Como eu disse em comentário anterior aqui mesmo, Vivien, as feirinhas já não são as mesmas, pelo menos para quem procura revistas antigas para coleções. Tenho visto - o que é uma pena - títulos como Fon-Fon, Careta, Jornal das Moças e outros encadernados. Tudo bem, mas só que muitos retiram as capas das revistas, o que em algumas vezes é o mais importante, sugestivo. Mas ainda vale a pena passar pela emoção gostosa de "descobrir" uma revista bem antigona...
Beijos. Ótima semana.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Vivien, já fiz um post com a FON-FON, não tão antigona, mas ficou bom. Acho que não chegou a ver. O link está aí, e a data, 23 de maio deste ano, salvo engano.
Beijos

http://maisoumenosnostalgia.blogspot.com/2008_05_01_archive.html

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Bete, o seu blog está ótimo. E você tem muita autoridade para falar da nossa Amazônia, já que vive nela, e ela.

Achei especial os versos da canção de vocês que faz alusão à linha do Equador:

"Meu endereço é bem facil
Qualquer carteiro conhece
......................
é facil meu endereço
Va la quando o sol se pôr
Na esquina do rio mais belo
com a esquina do Equador"

Beijos. Obrigado. Ótima semana para vocês.

domingo, setembro 07, 2008  
Anonymous Adelino said...

Jeanne, este espaço tem suas limitações, mas como gostamos do assunto, pelo menos é bom recuar saudavelmente para num passado que nem é de vocês, e até muitas vezes nem de mim mesmo, o que é melhor ainda.
Beijos. Ótima semana para você.

domingo, setembro 07, 2008  
Blogger Georgia said...

Oi Adelino, obrigada pela visita no blog da minha irma, valeu.

Boa semana

segunda-feira, setembro 08, 2008  
Blogger Lia Drumond said...

Adoro revistas antigas! Ainda tem algumas em casa, as que resistiram a minha fase de recortar tudo, acho o maior barato ver a evolução (ou desevolução, em alguns casos) desse formato de mídia. Bjsss, querido!

segunda-feira, setembro 08, 2008  
Blogger marilia said...

Genteeeeeeeeeeee
Olha eu aqui de novo, e tendo o mesmo prazer em rever o blog do meu amigo Adelino.
Gosto de novidades do tempo de antigamente, com todo o paradoxo da frase...
Já andei de bonde, tomei oleo de figado de bacalhau, e pomada monancora... andei de rural, e tomei guarapan e muita groselha..
adelino, adoorei o tema e a serie... Boa semana , e agora, acabou seu sossego rsss
bjão

segunda-feira, setembro 08, 2008  
Anonymous Adelino said...

Georgia, o blog de sua irmã
http://saiacurta-nana.blogspot.com/
começou muito bem, inteligente, com um tema moderno, polêmico, interessante. Comentei e comentarei com muito prazer.
Um abraço. Ótima semana para vocês.

segunda-feira, setembro 08, 2008  
Anonymous Adelino said...

Lia, é incrível o número de publicações que nasceram mas desapareceram apenas uma ou duas edições depois. Atualmente, que eu saiba, das mais antigas mesmo temos CLAUDIA e VEJA em circulação. Parece que VISÃO também.
Beijos. Obrigado.

terça-feira, setembro 09, 2008  
Anonymous Adelino said...

Que ótimo ver a "doce Marília das Minas ´Geraes´ (com E)" de volta animando estas paragens, ou melhor, blogagens...
E ainda se gabando de ter feito tantas coisas que nos trazem saudáveis saudades.
Mas aposto que não andou de jardineira nem de charrette, não bebeu grapette, não fez "puxa" no fogão de lenha, não comeu manga verde e nem furou caixa d´água... E muito menos viu o Atlético Mineiro em 1949 fazer carreata em BH apenas por ter vencido o Vasco da Gama por 4x2... Uma "proeza" na época...rs
Beijos, ótima semana.

terça-feira, setembro 09, 2008  
Anonymous Meire said...

eu passei pore sta feirinha com a Vivi e achei maravilhosa, mas nao adquiri nada...
bjs

terça-feira, setembro 09, 2008  
Blogger Betinha said...

Revista "Careta" novidade para mim.
Abraços Adelino e uma ótima semana.

terça-feira, setembro 09, 2008  
Anonymous Adelino said...

Meire, as barracas que negociam revistas ou livros geralmente abrem mais cedo. No último sábado o movimento estava fraco por causa de um leilão que seria realizado no transcorrer da semana. Pelo menos, penso eu, tenha sido este o motivo.
Beijos

terça-feira, setembro 09, 2008  
Anonymous Adelino said...

Elizabeth, poucos a conhecem, pois sua publicação cessou em 1960, mas para que tenha uma idéia, reproduzo o que escrevi no comentário anterior da Maria Augusta:

"Careta foi uma revista humorística brasileira que circulou de 1908 a 1960. Periódico de excelente padrão gráfico e editorial, foi fundado por Jorge Schmidt e teve entre seus colaboradores alguns dos melhores chargistas do país, como Raul e J. Carlos (diretor e ilustrador exclusivo da revista até 1921)."
Um abraço

terça-feira, setembro 09, 2008  
Blogger Só- Poesias e outros itens said...

Um garimpeiro além de bloqueiro!!!!.
Bom achado. Essa feiras são ótimas.

bjs.

JU Gioli

quarta-feira, setembro 10, 2008  
Anonymous DO said...

Como sempre muito interessante,Adelino.
Como so vc consegue.

Grande abraço!!

quarta-feira, setembro 10, 2008  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Lindos dias meu amigo!
beijos

quarta-feira, setembro 10, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ju Gioli, concordo: um garimpeiro, além de blogueiro... Ou seria um blogueiro, além de garimpeiro. Não pode ser. Primeiro, garimpeiro mesmo.
Beijos

quarta-feira, setembro 10, 2008  
Anonymous Ádelino said...

Do, incrível, quase um século.
Quanta coisa não aconteceu no mundo de lá para cá, não é? E pensar que ela "assistiu" a tudo isso. Creio que esteja aí o prazer e a razão dessas buscas por revistas antigas.
Grande abraço.

quarta-feira, setembro 10, 2008  
Anonymous Adelino said...

Obrigado, Márcia. Lindos dias pra você também, e todos nós. Obrigado pela visita.
Beijos

quarta-feira, setembro 10, 2008  
Blogger Georgia said...

Adelino, hoje é aniversário da Saia passa por lá, vou gostar.

Abracos

quinta-feira, setembro 11, 2008  
Anonymous Adelino said...

Georgia, meus parabéns pelo aniversário do Saia Justa. Seu blog é inteligente, alegre, sóbrio, elegante e você se expressa muito bem escrevendo. São textos que lembram aqueles livros ou filmes que a gente começa a ler ou a ver e não consegue parar. Vai até o fim. É visitar e "linkar" imediatamente entre os favoritos. Foi o que fiz.
Um abraço.
Felcidades, Georgia.

quinta-feira, setembro 11, 2008  
Blogger Georgia said...

Oi Adelino, obrigada pelo carinho das suas palavras. Quando eu abro o seu blog pelo Reader ele me apresenta um outro post seu com o título de: N.S. do Monte Serrat, falando sobre a cidade de Santos em SP. E quando venho aqui ele me apresenta o post da revista.

Até pensei que vc tivesse post novo e vim aqui correndo,rs.

Você já postou sobre esse assunto? O é mais um dos seus posts guardados para ser publicado mais a frente?

Mas dessa vez nao consegui entrar. Só o vejo na tela do reader.

Abracos

quinta-feira, setembro 11, 2008  
Blogger Yvonne said...

Rapaz, o nome do seu blog é mais do que apropriado. Você sempre nos traz pérolas que são maravilhosas.
Beijocas agradecidas

quinta-feira, setembro 11, 2008  
Blogger Cristiane said...

Caro amigo, como já estive aqui, passo deixando um abração e aviso que tem post novo tá?

quinta-feira, setembro 11, 2008  
Anonymous Adelino said...

Georgia, não sei o que aconteceu. Eu cheguei a preparar um post para o dia 8 de setembro, dia da padroeira da cidade de Santos, N.S. do Monte Serrat. Eu não o publiquei porque a data já tinha passado. Fui ver no relatório de posts e lá consta como "rascunho". De qualquer forma, qualquer dia aproveito o que fiz a respeito, pois aquela cidade praiana merece...
Quanto aos meus elogios, nada a agradecer.
Um abraço

quinta-feira, setembro 11, 2008  
Anonymous Adelino said...

Yvonne, a sua visita é sempre honrosa. E ainda mais com elogios (imerecidos)e incentivos.
Um beijo

quinta-feira, setembro 11, 2008  
Anonymous Adelino said...

Cristiane, já vou lá agorinha mesmo... Apareça sempre.
Abraços

quinta-feira, setembro 11, 2008  
Blogger vivendo said...

Adelino,
passamos para deixar um beijo!!Às vezes eu fico olhando a coleção Nosso Seculo e me deparo com anúncios antigos, com o Rio de Janeiro mais antigo...Gosto muito!!!Bebê manda beijo para vc!!Tanto eu quanto o bebê sentimos saudades suas!!Vamos postar amanhã contando as novidades, bebê já está com 8cm!!beijo, bebê e Vivi

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Blogger valter ferraz said...

Adelino, tá um cheiro de naftalina aqui, sei não. Vamos abrir o baú e soltar umas "novidades"?
Abraço forte

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Anonymous ery roberto said...

Adelino, ontem fui à inauguração de um Sebo aqui em Curitiba. Aliás, nunca vi tantos sebos como nesta cidade, aliás, o que é bom porque acirra a concorrência e quem ganha somos nós, os ratos de sebos. Lá vi uma boa parte da coleção da Revista Cruzeiro. Foi uma viagem no tempo, revivi e relembrei de muitas passagens interessantes da vida deste Brasil. Mas, obviamente, não resisti a tentação de começar de trás para frente, pois o "Amigo da Onça" era mesmo imperdível.

A feira dominical do Largo da Ordem é outro paraíso aqui para quem gosta dessas raridades.

Abração.

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Anonymous Anônimo said...

Viviane, eu também tenho essa coleção Nosso Século. De vez em quando pego um exemplar de décadas passadas e fico me divertindo com as coisas que tem ali. A coleção de 4 volumes foi acompanhada de um quinto volume que fala somente de propaganda, não é? Conserve a sua coleção porque ela é muito importante. Quanto ao baby, tudo de bom pra vocês. Fiquem com Deus.
Um beijo e um ótimo final de semana a todos.

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Anonymous Adelino said...

Viviane, desculpe a falha: o ANÔNIMO sou eu mesmo, claro, Adelino...

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Anonymous Adelino said...

Valter, você tem razão. A "produção" está pequena. Estou em débito até com alguns e-mails de amigos. Por falar nisso já inaugurei o seu novo blog. Excelente. Se der uma olhada lá nos links favoritos (meus) vai ver que ele já está lá... Gostei muito mesmo.
Um grande abraço.

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Anonymous Adelino said...

Ery, não sei se tem relação uma coisa com outra, mas desde pequeno eu gostava de coisas bem antigonas, descobertas de "cidades" encravadas no solo etc. etc. Por extensão, mais tarde passei a gostar também de revistas antigas, ler "ao vivo" o que tinha acontecido há muito tempo. Acho, então, que o meu gosto por sebos vem daí também. Esse Largo da Ordem deve ser uma mina de coisas boas...
Grande abraço, Ery, e ótimo final de semana.

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Blogger Chris said...

adorei seu lado retrô!
voltarei!

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Blogger valter ferraz said...

Adelino,
a recíproca é verdadeira. O mais ou Menos Nostalgia já está linkado na agulha do Rádio-Vitrola. É só colocar a "bolacha", puxar a poltrona do papai e aproveitar.
Bom final de semana,
Forte abraço

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Anonymous Anônimo said...

Estranho. Tanto falaram de coisas e cousas dos idos tempos e nada sobre o "gramophone".
Era o "símbolo" da gravadora Edison, a "voz do dono".
Um "guaipeca" ao lado de tuba arriba de uma caixa com uma manivela, à qual se dava corda, e, aí, se podia ouvir maravilhas.
Só depois (muito depois) é que apareceram toca-discos, radiólas, eletrólas e, o máximo, o estereofônico.
Eram móveis enormes, tamanho de um balcão de cristaleira.
Telefunken e teleunião, quatro alto-falantes de cada lado.
No centro, ocupando dois terços do mastodonte, ficavam, de um lado o aparelho de rádio (com ondas médias ou longas; e curtas .

sexta-feira, setembro 12, 2008  
Anonymous Adelino said...

Pois é, Chris, o meu lado "retrô"... Gostei da observação. Pode ser. Mas acho que todos temos um pouco de saudade de lembranças do passado. Claro que preferimos as melhores, e é o que procuro fazer. Mas, como deve ter notado, não falo só do passado, mas do presente também. Por isso o "mais ou menos", ou seja, nem sempre retrô...
Volte sim, Chris. Será sempre bem-vinda.
Abraços. Feliz semana.

segunda-feira, setembro 15, 2008  
Anonymous Adelino said...

Esse "ANÔNIMO" seria o Strix? Parece que não. Mas até que ele tem razão. Poderiamos ter falado do gramaphone, mas para isso já tem o excelente recém-inaugurado blog do nosso caro VALTER FERRAZ.

Tinha o Transglobe Philco, uma maravilha... Os rádios galenas, não é isto? Aquelas válvulas do tamanho de uma garrafinha de coca-Cola, carcaças de madeira enfeitadas, trabalhadas. Eu conheci a eletrola Telefunken. Uma maravilha. Estéreo. Mas deixa pra lá. Isto é matéria para o Valter Ferraz.
Um grande abraço para quem escreveu.

segunda-feira, setembro 15, 2008  
Anonymous Adelino said...

Valter, gostei demais do Rádio-Vitrola... Como disse, já está "linkado" como dos meus favoritos. E acho que você tem muitas coisas boas pra contar. Testemunha ocular de muitas carreiras vitoriosas que se iniciavam.
Grande abraço. Feliz semana.

segunda-feira, setembro 15, 2008  

Postar um comentário

<< Home